maio 22, 2006

Triunfo em dia de Prova

O Festival dos Forcados da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, integrado na Feira Agroter 2006, recebeu nas bancadas da Praça de Toiros da Ilha Terceira cerca de meia casa fraca. O Festival tinha como atractivo a prova de praticante do jovem amador terceirense Rui Lopes e o concurso de ganadarias com toiros de seis ganadarias locais.

O cavaleiro Carlos Alves recebeu o primeiro da ordem da ganadaria de Rego Botelho com o número 58 (?), com três compridos de boa nota, bregando bem e entendendo bem o oponente, mudando de tércio mas não de cavalo, Carlos Alves colocou três bons ferros curtos à tira, não tendo chegado às bancadas mas também não desmerecendo o labor efectuado ao toiro da divisa de Rego Botelho. No seu segundo, da ganadaria de Francisco Sousa com o número 32 (?), Carlos Alves teve um início de lide asseada com três bons ferros compridos à tira, destacando-se nos curtos o segundo ferro da ordem.

Gilberto Filipe veio à Ilha Terceira com ganas de triunfo, tendo obtido uma boa lide no primeiro do seu lote. Gilberto recebeu o toiro número 14 8 (?) da Casa Agrícola de José Albino Fernandes, com dois ferros compridos à tira a despachar, não se parando com o toiro, foi nos ferros curtos que Gilberto Filipe obteve os melhores momentos da sua lide, sendo o primeiro curto ao piton contrário de excelente nota e os dois últimos ferros foram muito cingidos e ao estribo como mandam as regras. No seu segundo toiro, um toiro da ganadaria de Humberto Filipe com o número 105 (?), o cavaleiro continental teve uma lide desacertada tendo-se precipitado em algumas sortes, como começar o segundo tércio com um ferro à violino, sendo uma sorte que deve ser usada como recurso e não para se iniciar a série de ferros curtos, sofreu aparatoso toque na montada à saída do quarto ferro, tendo insistido em colocar muitos ferros porfiando até obter um ferro de boa nota, saindo da arena sob alguns protestos do público presente.

Rui Lopes na tarde da sua prova de praticante deixou bem patente a boa forma que atravessa, tendo registado no toiro da sua prova uma excelente lide, Rui lidou um toiro da ganadaria continental de David Ribeiro Telles pertença do ganadeiro terceirense Herdeiros de Ezequiel Rodrigues, toiro este com muito sentido, mas o cavaleiro deu-lhe uma lide acertada com dois bons ferros compridos depois de boa brega e no segundo tércio cravou três excelentes ferros curtos.
O segundo novilho que lhe coube em sorte tinha pouca presença e pertencia à ganadaria de João Quinteiro com o número 51 (?), este cedo se refugiou em tábuas, mas o jovem cavaleiro soube dar-lhe a volta com ajuda dos bandarilheiros de serviço mas também com o bom uso das suas montadas. Rui teve uma lide acertada e no conjunto das suas duas lides foi sem sombra de dúvida o triunfador da tarde.

Na forcadagem, foi bonito voltar a ver João Hermínio, António Baldaya, Hildebrando Ortins, Tony Ortins, João Melo, José Luís, “Caló”, Moules (Xinxas), José Porto, José Lúcio e Luís Borba. No primeiro da tarde Adalberto Belerique pegou e bem à segunda tentativa, o segundo toiro coube ao forcado Marco Sousa numa boa pega à primeira tentativa com uma boa segunda ajuda de Fabrício Rico, no terceiro da ordem foi cara o forcado Marco Fontes consumando a pega ao segundo intento, destaque para o rabejador Leonardo Gonçalves, o quarto coube em sorte a Jorge Diniz, que pegou bem à primeira tentativa com o toiro a parar a meio da viagem dificultando a vida aos ajudas, ao quinto saltou à arena o jovem forcado João Pedro Ávila que aguentando fortes derrotes do novilho ficou fora da cara do oponente, sendo depois emendado pelo grupo ao fechar a pega, o último da tarde foi pegado pelo forcado Leonardo Gonçalves que esteve bem à primeira tentativa, com o toiro a ter uma investida recta e sem dar problemas ao forcado da cara, em suma uma boa actuação dos amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense na inauguração da temporada açoriana. No fim da corrida despediu-se do grupo o valente forcado Luís Filipe dando a volta à arena aos ombros dos colegas forcados.

Pela positiva há a salientar a boa, como sempre, direcção de José Valadão, acessorado pelo Dr. Vielmino Ventura e a aceitação generalizada do público presente à atribuição do prémio ao melhor toiro, que foi entregue ao toiro número 148 (?) da ganadaria Casa Agrícola José Albino Fernandes.
Pela negativa é de salientar a falta de informação dos números dos toiros a concurso, a presença num concurso de ganadarias de um toiro pertença do ganadero mas não com o ferro do mesmo e a falta de aficcionados nas bancadas da nossa praça.
De parabéns estão os amadores da Tertúlia pela organização deste espectáculo.

0 comentários: