Feira de São João começa amanhã

A Feira de São João deste ano tem o seu inicio, amanhã dia 21 de Junho, com uma Corrida Concurso de Ganadarias...

Triunfo de Tiago Pamplona e Sérgio Aguilar no Festival de Beneficência

Há já algum tempo que não tinha o prazer de tomar notas numa corrida de toiros...

Comunicado - Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande - Feira de São João 2015

"O Grupo de Forcados de Amadores do Ramo Grande anuncia que não pegará no Concurso de Ganadarias da Feira de São João 2015 "

junho 29, 2006

“Olé! Jornal de Tauromaquia tem nº1 já nas bancas"

Texto e foto in www.toirosecavalos.com


"Saiu hoje o primeiro número do novo jornal de tauromaquia. “Olé! Jornal de Tauromaquia”, dirigido por José Pedro Ramalho apresenta uma entrevista com Rui Fernandes e Vítor Ribeiro sobre o mano-a-mano desta quinta-feira no Campo Pequeno, análise aos primeiros espectáculos das Sanjoaninas em Angra do Heroísmo, do I Bolsin Taurino Ibérico de Arruda, da Feira de Santarém, do Festival Internacional do Puro Sangue Lusitano em Cascais, das alternativas de Bronze, Paulo Jorge Santos, João Moura Caetano e Tiago Pamplona, a coluna “Social Olé”, cartaz de próximas corridas, para além das colunas de Luis Miguel Pombeiro (editorial e “Reflexões e Desabafos), de Rui Levesinho (Da Barreira... sobre o Colete Encarnado) e de Francisco Morgado (Capote, Tricórnio e Caneta). "

junho 28, 2006

Novo site espanhol adicionado à nossa secção de Links



Visite o site em www.burladero.es

4ª Corrida Corrida Flash em Angra do Heroísmo

Concurso de Ganadarias encerra Feira de São João 2006

Realizou-se no passado domingo dia 25 de Junho, pelas 21 horas e trinta minutos, a última corrida da Feira de São João 2006 que apresentou uma magnifica moldura humana. Compunham o cartel, os cavaleiros Joaquim Bastinhas, Luís Rouxinol e João Salgueiro, os grupos de forcados Amadores de Alcochete e os Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense capitaneados respectivamente por João Pedro Bolota e Adalberto Belerique, os toiros pertenciam às ganadarias locais de Rego Botelho, Casa Agrícola José Albino Fernandes e Herdeiros de Ezequiel Rodrigues. Dirigiu com acerto o Sr. José Valadão assessorado pelo Dr. Vielmino Ventura. A banda que abrilhantou o festejo foi a Filarmónica Recreio dos Artistas.

Saiu à praça o primeiro toiro da ganadaria de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues com o número 197 e com 450 kg de peso, coube em sorte ao cavaleiro Joaquim Bastinhas que se apresentava envergando um casaca de cor vermelha bordada a ouro. O cavaleiro de Elvas recebeu-o à porta dos sustos sem grande emoção, visto que “fugiu” assim que viu a sua cor ao fundo dos curros, na ferragem comprida pouco ou nada há a referir a não ser três ferros demasiado aliviados sendo o primeiro de fraca colocação, traseiro e descaído. Para a ferragem curta destaque para o segundo ferro, o melhor de entre os três que colocou, de notar a falta de rematar as sortes e a falta de frontalidade na cravagem dos ferros.
Para a pega saiu o forcado de Alcochete João Pedro que se fechou bem à barbela, à segunda tentativa.
O toiro de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues saiu atípico, celeiro e manso sendo assobiado a quando da sua recolha aos curros. No fim da lide volta para cavaleiro e forcado, nota para a forma como o cavaleiro deu volta à arena deixando muitas vezes o forcado para trás, recebendo ele sozinho as palmas que muitas eram para o forcado da cara.

O segundo da noite com o número 200 da ganadaria de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues, saiu em sorte ao cavaleiro Luís Rouxinol, que sofreu violento toque na montada ao cravar o primeiro comprido, o seu segundo ferro foi o melhor, sendo o terceiro muito aliviado e até pescado como se diz entre nós. Para os curtos Rouxinol arrimou-se mais no primeiro e segundo ferro, colocando o terceiro a cilhas passadas quase a passar a garupa, assim não e o público assistiu assobiando mostrando que ao contrário do que muitos dizem sabe ver e apreciar uma lide, fechou a série de curtos com um violino de boa nota. Na pega deste “ezequiel” esteve valente o forcado terceirense José Vicente fechando-se à segunda tentativa com uma excelente ajuda de Marco Sousa.
O segundo toiro de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues saiu manso mas com melhor comportamento que o seu irmão de camada, veio-se a fechar em tábuas mas não dificultou a lide ao cavaleiro.

Para João Salgueiro, que envergou nesta noite uma casaca de veludo azul, saiu o terceiro da noite com o ferro de Rego Botelho, número 421 que pesou na balança 485 kg. O de Valada recebeu o astado com dois ferros compridos, sendo o primeiro colocado por dentro e o segundo, depois de melhor brega e colocação do toiro, foi descaído. Para os curtos o cavaleiro veio ao de cima colocando dois bons ferros, colocou ainda um terceiro ferro sem som depois do toiro ter saltado a trincheira, onde por culpa do bandarilheiro da sua quadra o ter induzido a tal, tendo o toiro ficado tocado da mão direita, por fim cravou um bom ferro em sorte sesgada. Saltou à arena o alcochetano Rui Batista que só consumou à sexta tentativa sendo o bicho literalmente agarrado após aviso do director de corrida.
O toiro de Rego Botelho de bom tipo e apresentação teve um comportamento de mais a menos, tendo piorado o seu desempenho em função do salto para a trincheira.

Depois do intervalo, muito à moda portuguesa, saiu à praça o número 151 da Ganadaria Casa Agrícola José Albino Fernandes, que coube em sorte ao cavaleiro Joaquim Bastinhas que depois de duas passagens em falso colocou três ferros compridos, sendo o primeiro assobiado quanto à sua colocação, demasiadamente traseiro e descaído, o terceiro foi o de melhor nota. Na ferragem curta e com o mesmo cavalo que houvera toureado Tiago Pamplona no dia de sua alternativa, Bastinhas colocou um bom ferro por dentro, dois ferros à tira indo de seguida trocar de montada para colocar mais um que não chegou aos tendidos e um de palmo em terrenos de tábuas, tendo fechado em tom positivo uma lide de menos a mais.
Na pega deste toiro esteve o terceirense Marco Sousa que esteve irrepreensível na forma com sitou e recuou na cara deste toiro, consumando à primeira tentativa uma das melhores pegas da noite. Na volta à arena para cavaleiro e forcado, as palmas foram quase todas para o de casaca de ramagens tendo se ouvido nos tendidos “boa Marco”, “estas são para ti”. No fim da volta o cavaleiro fez o impensável, saltando a trincheira atrás do forcado para que este não fosse aplaudido no médios como é costume entre nós quando se quer distinguir as palmas do cavaleiro para o forcado, muito mal visto ficou, entre os muitos que assistiam à corrida, o gesto desnecessário de Joaquim Bastinhas.
O toiro da Casa Agrícola José Albino Fernandes cumpriu no geral tendo se mostrado um pouco distraído com o desenrolar da lide, nota positiva para a apresentação deste toiro.

O quinto da noite coube em sorte ao cavaleiro Luís Rouxinol e ostentava o ferro da ganadaria de Rego Botelho, com o número 429 e com 535 kg de peso. O cavaleiro recebeu-o com três ferros compridos em que o cavalo abria muito na viagem, desluzindo um pouco a sorte executada. Nos curtos o cavaleiro armou o taco colocando três ferros que chegaram ao público, destaque para a brega desenvolvida pelo cavaleiro. Colocou ainda um ferro de palmo e um par de bandarilhas, que tirou mérito à lide, pois foi colocado muito traseiro e um pouco descaído.
Na cara deste toiro esteve o forcado do grupo de Alcochete Vasco Pinto que esteve bem a citar, com o toiro a sair de pronto consumando uma excelente pega à primeira tentativa.
O toiro de Rego Botelho escasso de carnes foi um dos toiros mais bravos da corrida fazendo jus ao que por tradição se diz, não há quinto mau.

Para lidar o sexto da noite, com número 136 com 435 kg de peso e que ostentava o ferro da Casa Agrícola José Albino Fernandes, saiu o cavaleiro João Salgueiro que cravou três ferros compridos de boa nota, na ferragem curta Salgueiro colocou cinco ferros curtos com destaque para o segundo ferro. O quarto ferro foi a cilhas passadas assim como o quinto e o primeiro de palmo, redimindo-se no ultimo ferro de palmo. O cavaleiro voltou a fazer o número do cavalinho ruço, desentrançando-o, voltando a tentar enganar o público presente. A razão desta cena triste só o cavaleiro o pode responder.
Para a cara destre bravo toiro saiu o forcado terceirense João Pedro Ávila que executou um pegão à primeira tentativa, com uma técnica irrepreensível na melhor pega da noite.
O impensável aconteceu na volta à arena, com a entrada do dito cavalo ruço de Salgueiro a vir receber também as palmas do público em tom de triunfo, assim não, é muita representação para um dia só. Muito mal esteve o cavaleiro de Valada neste teatro enganador, pois o cavalo não merecia tamanha distinção.
O toiro da Casa Agrícola José Albino Fernandes foi bravo do principio ao fim da lide.
No fim da corrida foram entregues os prémios do Concurso de Ganadarias e da Feira de São João.
Prémios da Feira de São João 2006

Melhor lide apeada
José Luís Gonçalves, na lide do toiro número 163 da Casa Agrícola José Albino Fernandes, o sexto toiro da 3ª Corrida.

Melhor par de bandarilhas
Ivan Garcia, no par colocado ao toiro número 420 de Rego Botelho, o primeiro toiro da 2ª Corrida.

Prémios Concurso de Ganadarias

Melhor lide a cavalo
João Salgueiro, na lide do toiro número 421 de Rego Botelho, o terceiro toiro da corrida.

Melhor pega
João Pedro Ávila, na pega ao toiro número 136 da Casa Agrícola José Albino Fernandes, o sexto toiro da corrida.

Prémio Bravura
Ao toiro número 136 da Casa Agrícola José Albino Fernandes, o sexto toiro da corrida.

Prémio Apresentação
Ao toiro número 151 da Casa Agrícola José Albino Fernandes, o quarto toiro da corrida.

3ª Corrida das Sanjoaninas



Realizou-se no passado dia 24 de Junho, dia de São João, a terceira corrida da Feira de São João 2006. Com ¾ de casa forte, decorreu em tom morno aquela que até agora foi a maior enchente destas corridas sanjoaninas.
Os cavaleiros Luís Rouxinol e João Salgueiro lidaram um bonito e bravo curro da Ganadaria Casa Agrícola José Albino Fernandes, as pegas foram a cargo dos Amadores de Alcochete capitaneados por João Pedro Bolota e a lide apeada foi realizada pelo matador português José Luís Gonçalves.
Dirigiu com acerto o Sr. Carlos João Ávila, assessorado pelo Dr. Vielmino Ventura. A abrilhantar esta corrida estava a Banda Filarmónica da Serreta.

Luís Rouxinol, de regresso à nossa Ilha, vestiu uma casaca bourdeaux para receber o número 161, que pesou na balança 460 kg. O toiro da ganadaria Casa Agrícola José Albino Fernandes teve uma saída alegre com o cavaleiro a responder com boa brega, a destacar neste primeiro tércio a colocação do segundo comprido com o cavalo a abrir muito na reunião com o toiro.
Trocando de montada Rouxinol iniciou o segundo tércio bregando bem e arrimando-se com ladeios na cara do toiro para colocar um ferro a cilhas passadas, nesta altura destaque para o bom comportamento do toiro, no segundo ferro o cavaleiro arrimou-se mais, colocando um bom ferro curto, mas o seu terceiro foi sem dúvida nenhuma o melhor de toda a lide, indo o cavaleiro de frente para colocar um muito bom ferro e finalizou a lide com um bom ferro de palmo. Para a pega saiu à praça o forcado Bruno Pardal que se fechou bem a primeira tentativa, recuando bem na cara do toiro, que ensarilhou um pouco antes de reunir, boa segunda ajuda e nota positiva para a coesão que o grupo apresentou.

O segundo da tarde com número 158, pesava 415kg e coube em sorte ao cavaleiro João Salgueiro que vestiu nesta tarde uma casaca castanha bordada a ouro. Destaque para a brega executada, ficando a ferragem para segundo plano, tendo o cavaleiro despachado literalmente os ferros compridos. Para os curtos o de Valada sacou de um cavalo ruço rodado, destacando-se o terceiro e quarto ferro da ordem, bem o cavaleiro arrematando as sortes. Na cara deste toiro esteve o forcado Ruben que sitou com galhardia, fechando-se bem com o toiro a fugir ao grupo, mas este a ajudar com consistência.

José Luís Gonçalves apresentou-se de azul escuro e ouro para receber com parons o bonito exemplar número 160. Variado no capote, José Luís executou verónicas cingidas, chicuelinas rematadas com uma rebolera. Nas bandarilhas destaque paro o segundo par executado pelo bandarilheiro Rogério Silva. Brindou ao público para depois receber o novilho sentado no estribo, executando passes por alto com tremendismo, rematando o início da lide de rodilhas em terra. Destaque para uma boa tanda pela direita, provando a esquerda do novilho com naturais ajudados. Quanto a mim o toureiro devia ter aproveitado mais o lado esquerdo do novilho. Gonçalves é volteado mas sem gravidade.

A segunda parte iniciou-se com o cavaleiro Luís Rouxinol na lide do número 167 de José Albino, o cavaleiro levou um violento toque na montada colocando dois ferros compridos aliviadíssimos. Nos curtos usou dois cavalos, destaque para a boa brega a anteceder um curto de boa nota. Nota negativa para o cavaleiro que foi buscar um par de bandarilhas para finalizar uma lide que não foi de bom tom e mais grave com um cavalo que se via a olho nu que não estava habituado a tal façanha. Saiu à arena para pegar este novilho que pesou na balança 475 kg, o forcado Branquinho que se fechou bem à terceira tentativa, não tendo consumado anteriormente por falta de ajuda do grupo.
Bem o público no fim da volta a chamar o forcado aos tércios para receber a ovação. Que bonito ver que o público terceirense a saber ver e apreciar o desempenho dos artistas distinguindo e bem quem o merece.

João Salgueiro no quinto da ordem que ostentava o número 155, esteve bem na colocação dos ferros compridos, mas com a montada uma vez mais a não se parar para citar o toiro de frente. Nos curtos com o mesmo cavalo agora sim parando-se com o toiro, indo de frente e colocando dois ferros de boa nota, de seguida foi buscar outro cavalo colocando dois bons ferros, chegando bem ao público, finalizando uma lide boa com um bom ferro de palmo. Não foi correcto o cavaleiro de Valada tentar enganar o público terceirense, entrando com o mesmo cavalo que havia toureado o primeiro toiro, mas desta vez desentrançado, fazendo parecer outro cavalo e executando umas malabarices que nada têm a ver com o ensino de cavalos, para não demonstrar que só tinha dois cavalos com que contar nesta feira. Eu e muita gente não vemos mal nenhum nisso, no entanto se não era com maldade para quê tentar disfarçar?
Pegou este toiro, que foi quanto a mim o melhor da tarde, o forcado Pedro Gil que surpreendeu a assistência mandando o grupo para a trincheira, ficando sozinho na arena, só é pena que tenha consumado a pega à terceira tentativa.

O último novilho da tarde coube ao matador José Luís Gonçalves que o recebeu com uma afarolada de joelhos, executando parons rematados com meia despegada mirando os tendidos e chicuelinas rematadas com rebolera. Com a muleta José Luís iniciou a lide com a mão sobre a trincheira executando arrimados passes por alto. Com a mão direita executou duas boas tandas mas com falta de chispa da parte do toureiro, de seguida uma série de molinetes cingidos bem do agrado do público mas sem a verdade que se impõe ao toureio apeado, bem como as martingalas usadas a tourear em redondo (agarrado ao toiro), arrimou-se no fim da lide acabando-a em tom positivo.

junho 24, 2006

Não perca amanhã a última corrida da Feira de São João


Amanhã pelas 21 horas e trinta minutos se dará inicio à última corrida da Feira de São João 2006. Como atractivo principal está o concurso de ganadarias com a presença de 3 ganadarias locais, que disputarão o titulo de melhor toiro e melhor apresentação. Os artistas presentes serão Joaquim Bastinhas, Luís Rouxinol e João Salgueiro. As pegas estarão a cargo dos Amadores de Alcochete e da Tertúlia Tauromáquica Terceirense.

Arte & Emoção dedicado à Feira de São João 2006


Não perca mais uma edição do programa taurino Arte & Emoção hoje pelas 18 horas na 2: .

Resumo:
"Neste ARTE & EMOÇÃO destaque especial para a Feira de S. João em Angra do Heroísmo.

Oportunidade para falar sobre esta cidade com profundas tradições taurinas.

Na capital da Ilha Terceira, acompanhamos as duas corridas do 1º fim de semana de Sanjoaninas:
- o espectáculo do dia 17 de Junho com a participação de Joaquim Bastinhas, João Salgueiro e Tiago Pamplona, que tirou a alternativa.
- e a corrida apeada do dia 18 de Junho com os matadores Luís Miguel Encabo, Ivan Garcia e o novilheiro açoriano Mário Miguel.

Na rubrica Apontamentos Taurinos vamos conhecer a origem da presunção de que numa corrida, não há 5º (toiro) mau." in www.rtp.pt

"Bandas contestam - Filarmónicas prejudicadas com alteração de tourada"

texto por Humberta Augusto in www.auniao.com

"Depois de ter sido cancelado no ano passado, o desfile das bandas filarmónicas volta a augurar complicações. Tudo porque a alteração da tourada de praça no próximo domingo, devido ao mundial de futebol, coincidirá com o desfile dos vinte e três agrupamentos musicais. As desistências são para já previstas pelos responsáveis que criticam a comissão das Sanjoaninas de “secundarizarem” o trabalho das filarmónicas.

Humberta Augusto

O adiamento da tourada de praça no próximo Domingo por causa do mundial de futebol que faz defrontar as selecções de Portugal e Holanda volta a trocar as voltas às bandas filarmónicas. Marcado agora para as 21H30, o concurso de ganadarias coincide com o desfile das filarmónicas agendado para as 22H00. O facto de inúmeros músicos já terem bilhete comprado para a corrida vai fazer com que haja desistências. Para os responsáveis, trata-se de mais uma “desconsideração” da comissão de festas Sanjoaninas.
Em declarações ao jornal “a União”, Ilídio Brasil, presidente da delegação da ilha Terceira da Federação de Bandas Filarmónicas dos Açores refere “há bandas filarmónicas que provavelmente não vão comparecer ao desfile”.Ilídio Brasil considera que o jogo de futebol “não é motivo para se alterar uma tourada e complicar tudo isto”.
“Estamos a falar de mais de mil músicos que vão ter de alterar os seus planos”, explicou.Previsto para o cortejo de bandas filarmónicas estão vinte e três agrupamentos, provenientes de todas de toda a parte da ilha Terceira, um número que agora, refere, é colocado em causa por causa do adiamento da corrida de touros.
Filarmónicas“secundárias”
O delegado refere que a maioria dos músicos foi informado da alteração do programa “através dos jornais”.
Depois de no ano passado o desfile ter sido cancelado, o actual episódio é encarado pelo delegado como “desanimador”: “em 2005 não desfilámos por opção da organização. Já há um ano que andam a brincar com a bandas filarmónicas”.
Ilídio Brasil refere que o ambiente junto das várias sociedades musicais não é dos melhores: “estamos cansados desta situação”.
Questionado com uma possível alteração de horário, o responsável pela delegação da Federação de Bandas Filarmónicas dos Açores afirma ser de “difícil” gestão: “as pessoas têm as suas vidas e a maioria dos músicos têm de se deslocar de outras freguesias”.“Este ano até que estava tudo a correr bem, tudo organizado e agora complicam tudo. Uma pessoa cansa-se disto”, desabafa Ilídio Brasil.
Decisão “de última hora”
Contactada pelo nosso jornal, a presidente da comissão organizadora das Sanjoaninas, Susana Bendito, deixou claro, desde logo, que as pessoas que pretenderem podem ver devolvido o dinheiro dos bilhetes para a tourada de Domingo.
A alteração da programação do último das festividades é encarada para a responsável como “uma decisão que tinha de ser tomada” e que “lesasse o mínimo de pessoas possível”.
Com esta “alteração de última hora”, disse, devido à progressão da selecção nacional no campeonato mundial de futebol, “não foram só as bandas filarmónicas que foram afectadas”.
Susana Bendito reconhece que estas colectividades “tem todo o direito de se queixar”, mas a comissão não quis correr o risco de repetir o que aconteceu em 2004 quando o europeu de futebol acabou por prejudicar a tourada de praça.
A presidente da comissão das Sanjoaninas 2006 disse ao nosso jornal aguarda que, em caso de desistência, as bandas comuniquem à organização a sua decisão.Susana Bendito explicou que a alteração vai implicar desde logo a não participação da Filarmónica da Recreio dos Artistas, uma vez que esta vai actuar na tourada de praça, facto, disse “que foi compreendido” por este agrupamento.
“As pessoas fazem a sua escolha”, disse, acrescendo que, apesar de nada poder comentar sobre a gestão da anterior comissão organizadora, a presença das filarmónicas é valorizada: “as bandas filarmónicas são muito importantes. Elas têm actuado estes dias todos e estamos a contar com elas no último dia”. "

Toiros para a corrida de hoje

foto de Pedro Correia in www.toureio.no.sapo.pt

O sítio www.toureio.no.sapo.pt apresentou ontem as fotos dos toiros que serão lidados hoje pelas 18 horas na praça de toiros da Ilha Terceira, pertencentes à Ganadaria Casa Agrícola José Albino Fernandes, toiros estes que serão lidados por Luís Rouxinol, João Salgueiro e José Luís Gonçalves. As fotos são de Pedro Correia e podem ser vistas em http://curros.no.sapo.pt/angra2.htm. Visite www.toureio.no.sapo.pt .

junho 23, 2006

A 3ª da Feira de São João amanhã pelas 18 horas


A corrida de amanhã conta com a presença de Luís Rouxinol, João Salgueiro e José Luís Gonçalves. Destaque para o sempre esperado curro da Casa Agrícola José Albino Fernandes pelos seus fieis adeptos e não só. Nas pegas estarão os amadores de Alcochete.

Concurso de Ganadarias adiado

A comissão das Festas Sanjoaninas em conjunto com a comissão taurina e com os intervenientes na última corrida da Feira de São João, resolveu adiar a última corrida da Feira de São João para as 21h30, em virtude da selecção portuguesa jogar os oitavos de final do Campeonato do Mundo de futebol. Assim os aficionados da bola e dos toiros ficarão mais descansados podendo assistir aos dois eventos sem qualquer tipo de problema.
Relembrando o cartel, estarão presentes na arena angrense os cavaleiros Joaquim Bastinhas, Luís Rouxinol e João Salgueiro, as pegas estarão a cargo dos Amadores de Alcochete e da Tertúlia Tauromáquica Terceirense. A concurso estarão as Ganadarias de Rego Botelho, Casa Agrícola de José Albino Fernandes e Herds. de Ezequiel Rodrigues.

junho 22, 2006

Tourada das Crianças

Realizou-se ontem pelas onze horas da manhã a tradicional Corrida das Crianças, integrada no programa taurino das Festas Sanjoaninas 2006. Com a praça a apresentar uma moldura humana invejável , com a sua lotação quase completa pela miudagem terceirense. Na parte séria do festival apresentou-se o cavaleiro amador João Pamplona, na lide de dois novilhos bem apresentados da Ganadaria de Rego Botelho, a destacar o primeiro pela sua apresentação e comportamento em lide. Nas cortesias estiveram os Infantis e nas pegas os Juvenis da Tertúlia Tauromáquica Terceirense. A parte cómica que muitos risos e gargalhada causou entre os presentes contou com os capinhas Dimas, Magalhães pai, Magalhães filho, Bruno e Jéjé todos eles fantasiados para melhor interpretarem o seu papel.

João Pamplona recebeu o seu primeiro com o ferro de Rego Botelho, que ostentava o número 39 (?), com um cavalo filho do célebre “Malhinha”, de seu nome “Malhinha II”, pequeno no tamanho mas grande na alma. O cavaleiro esteve alegre e cumpridor tendo demonstrado grande desenvoltura e arrojo na forma com bregou o bravo novilho, colocando-lhe dois bons ferros compridos indo de frente para o novilho que se encontrava nos médios. De seguida trocou de montada tendo desta feita apresentado um cavalo de ferro Rio Frio de seu nome “Ezequiel”, onde manteve o nível bom na brega, destacando-se o terceiro e quarto ferro este a rematar uma lide de gente grande. No seu segundo João recebeu-o sem capotes à porta dos sustos desenvolvendo uma brega excepcional montando de novo o “Malhinha II”, nota muito positiva para este cavalo que me surpreendeu pela positiva, superiormente montado pela pequena estrela da família Pamplona, o novilho com menos carnes do que o primeiro e sem as mesmas condições de lide do seu irmão de camada não facilitou o desenrolar da lide alegre a que o cavaleiro nos presenteou no seu primeiro, nota mais para a brega executada e para o primeiro ferro curto de uma série de três.

As duas pegas estiveram a cargo de Luís Alves, a merecer uma oportunidade no grupo sénior, bem à primeira tentativa com o novilho a derrotar alto no momento da reunião mas bem o forcado a ficar na cara do novilho, a outra pega ficou a cargo de Álvaro Dentinho que se fechou bem e à primeira na cara do novilho número 36 (?) da ganadaria de Rego Botelho. Nota positiva para o Grupo Juvenil, futuro da forcadagem terceirense, pela forma coesa com que enfrentou estes dois astados.


A parte cómica contou como atrás foi dito pelos capinhas da tourada à corda, que se associaram a esta formação e captação de novos aficcionados. Foram alegres e divertidos causando gargalhadas nas muitas crianças presentes.

Nota positiva para a organização pela forma como conseguiram trazer até ao mais pequeninos e não só, um bonito espectáculo só com prata da casa, demonstrando que com pouco dinheiro também se consegue fazer algo de bom em prol do desenvolvimento da tauromaquia na Ilha Terceira.

junho 21, 2006

A segunda da Feira de São João


Decorreu no passado domingo pelas 18 horas, a segunda corrida da Feira de São João 2006, no cartaz da corrida anunciavam-se Luís Miguel Encabo, Ivan Garcia e o terceirense Mário Miguel, também anunciavam-se seis novilhos da ganadaria terceirense de Rego Botelho, mas não se sabendo bem porquê foram apresentados dois novilhos de Oliveira Irmãos, sendo os dois sobreros de ferro de Rego Botelho. Nota negativa para a organização pela falta de informação que presenteou cerca de ¾ fracos de casa. O público merece ser informado e tem o direito a o ser, afinal é ele que paga o bilhete.
Na direcção da corrida esteve irrepreensível José Valadão assessorado pelo Dr. Vielmino Ventura.
A Banda Filarmónica das Doze Ribeiras demonstrou oficio presenteando os presentes com excelentes interpretações de variados passo-dobles.
No que concerne aos artistas passemos então à sua apreciação.

Luís Miguel Encabo, o mais maduro dos três artistas presentes, presenteou a aficion terceirense com duas boas lides, no primeiro toiro da corrida o matador recebeu por verónicas rematadas com meias, de seguida lanceou por chicuelinas rematando com vistosa revolera, no tércio de bandarilhas convidou os restantes intervenientes a compartilhar o tércio num gesto bonito que o público aplaudiu e gostou do que viu, a competição é e será sempre saudável, na muleta o madrileno presenteou-nos com duas tandas de derechasos nos médios rematadas com passes de peito, de seguida o matador provou a esquerda do novilho vindo a destapar o seu pior lado, no fim da lide desenhou bonitas manoletinas, simulando de seguida a morte do astado, deu merecida volta à arena. No seu segundo de Oliveira Irmãos, com o número 744, o matador recebeu-o por verónicas passando de seguida para o segundo tércio onde se destacaram o terceiro par por dentro, após falha do mesmo. Na muleta teve uma lide em crescendo em que a mão direita do matador mandou no novilho de Oliveira e onde os passes longos e profundos fizeram soar alguns olés na bancada. No fim volta merecida para o matador.

Ivan Garcia matador de toiros madrileno, deslocou-se até nós com vontade de triunfar, e no seu primeiro, um novilho de Oliveira Irmãos que ostentava o número 728, isso mesmo o demonstrou, tendo recebido o oponente com verónicas bem desenhadas e rematando com uma meia verónica muito cingida, nas bandarilhas Ivan à semelhança do companheiro anterior convidou os colegas de cartel para bandarilharem com ele. Um tércio movimentado onde a entrega dos artistas foi uma constante, havendo a destacar o par do matador de serviço com site vistoso do alto do estribo colocando um excelente par a quarteio. Na muleta o toureiro recebeu o seu oponente nos médios com passos por detrás que trouxeram muita emoção aos tendidos, depois e com a mão esquerda desenhou naturais de eleição, de seguida e com a mão direita o matador desenhou derechasos de boa nota. O matador apercebendo-se do excelente lado esquerdo do novilho voltou aos naturais onde executou bonitos e profundos passes arrematados com excelentes passe de peito, já no fim da lide e de rodilhas em terra o matador conquistou o público terceirense. O matador ao invés de alguns cavaleiros da nossa praça só entrou na arena após a ovação do público, sendo assim merecida a sua volta à arena. No seu segundo de Rego Botelho, com 505 kg, o novilho mais pesado da corrida, Garcia despachou com o capote tendo dado apenas dois ou três lances por verónicas sem transmissão, pena que os matadores se tem esquecido de presentear o público com quites variados de capote tão do agrado do público terceirense e não só. Nas bandarilhas há a destacar o primeiro e terceiros pares, já que o segundo par foi excessivamente traseiro. No último tércio o matador andou asseado com a muleta, dando-se destaque a uma tanda de naturais, dados com profundeza e sentimento. Após a simulação da morte e recolha do novilho, volta para o matador.


Mário Miguel toureiro terceirense, e que no ano passado houvera sido o máximo triunfador da Feira, com direito próprio se encontrava de novo entre nós. Mário acusou o triunfo da época transacta, e quanto a mim e apesar de ter estado bem, faltou um bocadinho mais de pimenta para que volta-se de novo a triunfar redondo na praça da Ilha que o viu nascer. No seu primeiro, o novilheiro recebeu-o bem por verónicas e chicuelinas muito cingidas, sendo o tércio de bandarilhas compartilhado com os restantes colegas, na muleta Mário Miguel teve momentos bons de toureio onde as séries pela mão direita tiveram mais impacto, no final da lide e já a prolongar, o novilheiro foi colhido com aparato mas sem gravidade. Volta merecida no final da lide.
No seu segundo, que foi recolhido por visível incapacidade física, Mário recebeu o sobrero de Rego Botelho de joelhos em terra executando duas afaroladas que não causaram o impacto desejado no público presente, nas bandarilhas, sorte que executa na perfeição, Mário esteve igual a si mesmo tendo proporcionado um bom e variado tércio, na muleta arrancou passes de valor ao, quanto a mim, pior novilho da tarde. No final volta para o toureio terceirense que se prepara para se tornar no 1º Matador de Toiros dos Açores.

Nota muito positiva pela forma como os artistas foram aplaudidos no final da corrida, pelo muito público que os esperava para atribuir-lhes fortes ovações , sendo a maior atribuída ao matador Ivan Garcia. Sem dúvida uma aficion entendida onde o respeito pelos os artistas se faz sentir a cada momento da lide, onde o silêncio impera e onde o soar dos olés tem a profundidade de olé em Madrid ou Sevilha. Parabéns aos aficionados terceirenses.

junho 19, 2006

Tiago Pamplona, Alternativa com distinção




Decorreu no passado sábado a primeira de quatro corridas que compõem a Feira de São João 2006, em praça estavam os cavaleiros Joaquim Bastinhas, João Salgueiro e Tiago Pamplona, na lide de toiros de duas ganadarias distintas, a continental de Samuel Lupi e a terceirense de Irmãos Toste. As pegas foram da autoria dos Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense. Dirigiu a corrida o Sr. Raul Pamplona assessorado pelo Dr. Vielmino Ventura, a banda de música presente era a banda Filarmónica da Ribeirinha (vulgo Meio da Rua).
A praça estava preenchida em ¾ da sua lotação, não parecendo ser esta uma corrida das Sanjoaninas. Mas passemos à apreciação dos artistas que compunham o cartel, começando pelos que mais se destacaram no conjunto das duas lides efectuadas por cada um.

Tiago Pamplona apresentou-se envergando uma casaca verde azeitona, muito bonita e a lembrar a casaca usada por seu pai no dia da sua alternativa, alternativa esta que foi também concedida por Joaquim Bastinhas já que são passados 22 anos. O alternativado brindou a lide a seu pai e avô tendo se notado que da sua face caíram algumas lágrimas. Tiago esteve irrepreensível tendo demonstrado maturidade na forma como lidou e bregou o bonito toiro de Samuel Lupi. Uma lide em crescendo em que se destacam o terceiro ferro comprido, o quarto ferro curto muito cingido e a brega e colocação do toiro. A salientar a nobreza do toiro nº 39 de Lupi de seu nome Encastado, e o era mesmo, que pesou na balança 485 kg, sendo o toiro mais pesado da corrida. Nota também para a forma carinhosa como o público da sua terra brindou o quarto cavaleiro de alternativa dos Açores com fortes aplausos e muitas flores.
No seu segundo Tiago brindou a lide a Marcos Tenório Bastinhas, um sinal da amizade que une estas duas famílias, saiu à praça um novilho de Irmãos Toste bem apresentado como os restantes deste ferro, um toiro colorau que pesava 408 kg, que ao sair dos curros, com saída airosa embateu na trincheira violentamente, causando danos físicos ao toiro. De notar de que a culpa deste embate violento deveu-se ao facto de bandarilheiro ter deixado o capote atrás e sobre a trincheira tendo o novilho investido no capote, o novilho em causa foi substituído pelo sobrero de Samuel Lupi (?). Nota negativa para a indecisão do Director de Corrida em mandar recolher o toiro deixando que o cavaleiro colocasse o primeiro ferro comprido, também não percebi o porquê da substituição pelo sobrero de Lupi, a meu ver a decisão foi pura e simplesmente monetária visto que o referido toiro já houvera sido pago, não encontro outra razão. Mas passando à lide propriamente dita foi uma lide positiva na brega e colocação do toiro mas a deixar pouco ambiente nas bancadas, não se fazendo sentir o carinho demonstrado pelo público no seu primeiro, a destacar o quarto ferro curto e a colocação meritória de um de palmo, acabando desta forma a sua lide em tom positivo.

João Salgueiro que já cá não vinha à uns bons anos, apresentou-se de casaca azul de veludo para lidar o Rondeño de Samuel Lupi, que pesava 460 kg. Nos compridos o cavaleiro de Valada despachou literalmente a ferragem não se parando com o cavalo, e indo à tira para deixar dois compridos, tendo sido tocado na montada ligeiramente, trocou de cavalo destacando-se o segundo ferro curto a quarteio e o citar o toiro de costado tanto ao gosto da aficcion terceirense, colocou um de palmo fechando bem uma lide em crescendo. Salgueiro no seu segundo, um novilho de Irmãos Toste que pesou na balança 400 kg, que causou sensação ao saltar a trincheira em busca do capote que esvoaçava à sua frente, indo embater nos cabos de aço que protegem o público de visitas indesejadas. Depois do público se acalmar e observar o que o cavaleiro executava na arena Salgueiro voltou a despachar a ferragem comprida, mas com o mesmo cavalo colocou dois ferros curtos de mérito, sendo de destacar o terceiro ferro curto, este já com outra montada, tendo maior impacto nas bancadas, o quinto foi o de melhor nota e a fechar um de palmo para fechar em grande uma lide em crescendo. Nota negativa para um elemento da organização das corridas que sacou do ferro de palmo, que seria entregue ao cavaleiro pelo moço responsável, fazendo aquilo que não devia deixando má imagem àqueles que assistiam à corrida, costuma-se dizer cada macaco no seu galho.

Joaquim Bastinhas voltou à Terceira treze anos volvidos, vindo apadrinhar a alternativa de Tiago Pamplona. Bastinhas não esteve nos seus melhores dias não chegando às bancadas, que outrora se rendiam ao seu toureio. Ouviu música (?) aliás a música soou por várias vezes sem que para ela os artistas tenham tido o mérito para a ouvirem. O toiro de Lupi com o número 48 e com 465 kg não complicou mas o cavaleiro de Elvas teve uma lide a menos, não chegando aos tendidos, havendo a destacar apenas o primeiro comprido com o toiro colocado nos médios indo de frente para o toiro, colocando um bom ferro à tira, o cavaleiro no fim da sua lide saiu ao médios para receber a ovação e alguns assobios (poucos), bem o cavaleiro não dando volta.
Joaquim Bastinhas no seu segundo com ferro de Irmãos Toste, ostentando o número 71 de nome Boneco, um novilho muito bem apresentado e com uma pelagem bonita pouco vulgar entre nós (berrendo), saiu com pata incomodando o cavaleiro, pois o toiro só via o cavalo o que era um bom sinal, depois e ai já em exagero os peões de brega lancearam em demasia vindo o toiro de mais a menos, prejudicando o desenrolar da lide, o cavaleiro elvense colocou três ferros compridos sendo o último o de melhor nota, no inicio do segundo tércio o cavaleiro coloca dois ferros a cilhas passadas, muito em voga hoje em dia mas que não passa despercebido ao público terceirense, depois um terceiro ferro por dentro com o toiro a carregar mais, sendo este o melhor ferro desta sua segunda lide, depois de colocar mais um ferro e mais um de palmo, não se percebeu o porquê de o cavaleiro ir buscar uma par de bandarilhas sem que para isso a lide o merecesse e nem o público assim o exigisse, sentiu-se um burburinho nas bancadas e alguns assobios, mas mesmo assim o cavaleiro avançou para um par a duas mãos só consumado à segunda passagem, tentando assim o cavaleiro sair em tom de triunfo. Foi pena pois o público esperava mais de Joaquim Bastinhas. Deu volta o cavaleiro.

Nas pegas estiveram João Pedro Ávila na pega da tarde, numa excelente pega à primeira tentativa com o toiro a entrar pelo grupo dentro, valente o forcado na cara deste Lupi. Para a cara do segundo saltou à praça Leonardo Gonçalves que depois de corrigir os erros da primeira tentativa, onde adiantou as mãos, pegou bem à segunda tentativa. A terceira pega da tarde coube ao forcado Hugo Jesus, que depois de alguma atrapalhação e nervosismo pegou o toiro à quarta tentativa, com boa segunda ajuda de Fabrício Rico. Na cara do quarto da tarde saiu à arena Marco Sousa muito bem no site mas o toiro criou dificuldades ensarilhando muito não sendo possível a consumação da pega, pegou à segunda com o toiro a derrotar alto com uma excelente ajuda de João Pedro Ávila. Na consumação da quinta pega da tarde teve o jovem Décio Dias “Nini” que aguentou barbaridades na primeira tentativa, aqui mal o grupo a não fechar a pega, na segunda tentativa bem a jovem promessa da forcadagem terceirense, fechando-se bem na cara do novilho dos Irmãos Toste. No último da tarde o forcado Jorge Diniz esteve irreconhecível pegou o toiro apenas à quinta tentativa, enfim há dias maus. Nota negativa para o Director de Corrida não atribuído um sinal de aviso ao grupo na terceira e quinta pega.

junho 17, 2006

A Segunda da Feira de São João


A segunda corrida da Feira de São João, tem como atractivo principal, o facto dos três artistas presentes no cartel serem exímios na arte de bem bandarilhar. Conta ainda com um toureiro da terra que foi o máximo triunfador da feira transacta. Um cartel constituído por Luís Miguel Encabo, Iván Garcia e por Mário Miguel. Os toiros serão da divisa de Rego Botelho.
Que os toiros saiam bem e que os toureiros venham com ganas de triunfo.

junho 16, 2006

A 1ª das Sanjoaninas é já amanhã



O cartel de amanhã terá com atractivo principal a alternativa de mais um cavaleiro açoreano, depois de seu pai, Tiago Pamplona receberá das mãos do cavaleiro Joaquim Bastinhas e com testemunho de João Salgueiro a tão almejada alternativa. O curro a ser apresentado será da ganadaria continental de Samuel Lupi e de Irmãos Toste, a salientar a excelente apresentação do referido curro e para o trapio dos toiros de Lupi. As pegas estarão a cargo dos Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense.

"Toiros da primeira corrida da Sanjoaninas"

por Pedro Correia in www.toureio.no.sapo.pt
"Mostramos-lhe de seguida o toiros que irão ser lidados amanhã, pelas 18 horas em Angra do Heroismo, na primeira corrida das tradicionais Sanjoaninas. O cartel é composto pelos cavaleiros Joaquim Bastinhas, João Salgueiro e Tiago Pamplona, que irão lidar 3 Toiros Lupi e 3 Toiros Irmãos Toste. As pegas estarão a cargo dos Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense. Esta corrida contará ainda com a tomada da alternativa de Tiago Pamplona pelas mãos de Joaquim Bastinhas."

Tourada à corda na Fonte do Bastardo

Ontem pelas 18h30m realizou-se uma tourada à corda na freguesia da Fonte do Bastardo. Com toiros de Irmãos Toste escolhidos a capricho, decorreu de forma estusiástica uma corrida onde o público teve fraca aderência visto que se realizavam em torno da Ilha mais 5 touradas à corda. A corrida contou com 4 toiros da ganadaria do “Cabo da Praia” muito bem apresentados sendo o segundo toiro o melhor da tarde, foi o mais bravo e o que causou uma colhida, felizmente sem gravidade. O toiro em causa com o número 46 nos costados teve uma boa saída vindo sempre a subir de tom, um toiro com muito sentido e a causar sensação entre o presentes. Enfim uma boa corrida onde a falta de público se fez sentir, a dar razão aos que defendem a realização de apenas duas touradas por dia, eu também partilho da mesma opinião.

"Nº 10 da Revista " Festa na Ilha", já à venda em edição especial"


"A revista da TTT comemora a sua 10ª edição, facto que muito orgulha a Tertúlia e a aficion açoriana. Com um excelente grafismo a revista deste ano aparece em versão especial com cerca de 100 páginas envolvidas por capa dura. Anualmente o sentir o pulso á aficion terceirense faz-se através desta revista com interessantes artigos que rodeam a tourada á corda e os festejos na monumental angrense, sempre com o tema da evolução e crescimento estruturado da nossa festa bem evidenciado.

Poderá adquirir a revista na sede da nossa associação ou em quase todas as papelarias e tabacarias das cidades de Angra e Praia.

A não perder sem dúvida e a merecer a sua leitura atenta e aficionada. "

junho 11, 2006

1ª Grande Corrida da Revista Ruedo Ibérico

junho 10, 2006

Arte e Emoção hoje na 2

Hoje pelas 18 horas (hora dos Açores) irá para o ar o 3º episódio da 3ª série, do programa taurino da 2, ARTE & EMOÇÃO. Neste programa vamos ter oportunidade de ver a reportagem da magnífica novilhada que decorreu a 1 de Junho no Campo Pequeno, onde actuou o nosso novilheiro Mário Miguel. O tema da assistência médica em praças de toiros irá ser abordado e iremos conhecer o papel do médico veterinário no espectáculo tauromáquico. Teremos ainda a possibilidade de apreciar o toiro no campo numa visita à ganadaria de Francisco Luís Caldeira.
O ARTE & EMOÇÃO continua a divulgar o melhor da festa em Portugal, a não perder.

João Salgueiro Triunfa em noite de Alternativa de Moura Caetano


O cavaleiro de Valada triunfou noCampo Pequeno, no passado dia 8 de Junho na corrida da Alternativa de João Moura Caetano. João Salgueiro apresenta-se entre nós de hoje a oito dias, esperemos que também aqui triunfe para gáudio dos aficcionados terceirenses.

Alternativa fraca, mas resto da corrida forte
por Carlos Ramalhinho in www.tauromania.pt

Link à notícia: http://tauromania.pt/noticias_detail.php?typ=cronicas&aID=768

Há maus ferros que vêm por bem...
por João Dinis in www.toureio.no.sapo.pt

Triunfo de Salgueiro na noite de Moura Caetano
por Rui Levesinho in http://www.toirosecavalos.com/

Link à notícia: http://www.toirosecavalos.com/noticias.asp?id_noticia=4788

junho 02, 2006

Saiba Tudo o que Pode Ler na Próxima Equitação


por Eduardo Carvalho in www.equitacao.com

Como tudo na vida tem um princípio e um fim, ao entrarmos no décimo primeiro ano de existência, encerramos um capítulo da nossa história e iniciamos um novo ciclo: novo formato, nova imagem gráfica, conteúdos editoriais inéditos e a criação do Clube Equitação são algumas das principais novidades que propomos aos nossos leitores com esta renovada revista, que muito em breve estará disponível nas bancas…

Referência ainda para o lançamento de um novo e inédito desafio da autoria do nosso colaborador Paulo Vidigal, referente a ensaios a cavalos de desporto. Uma ideia a pensar nos criadores e proprietários que, depois de submeterem os seus cavalos ao ensaio proposto com os respectivos critérios instituídos de avaliação, ficarão possuidores de um precioso elemento de valorização dos seus produtos.

Para além de diversas crónicas e artigos dos nossos prestigiados colaboradores habituais, nesta edição nº.60 - cujo tema de capa remete para a tão aguardada reabertura da praça de toiros do Campo Pequeno - encontram-se ainda em destaque: um exclusivo com Pedro Abrunhosa, o Campeonato Mundial de Horseball, a Taça do Mundo de Dressage e Obstáculos e o Campeonato Nacional de Raides, entre outros…

SUMÁRIO

Pág. 06 - Crónica, por Prof. João Pedro Gorjão Clara
Pág. 08 - Concurso de Saltos de Reguengos
Pág. 12 – Taça do Mundo de Dressage e Obstáculos
Pág. 14 – Campeonato Nacional de Raides
Pág. 16 – Concurso de Saltos de Azeitão
Pág. 20 - Concurso de Saltos da Companhia das Lezírias
Pág. 22 – Obstáculos, por Ten. Afonso Palla
Pág. 24 – Taça de Portugal de Dressage
Pág. 26 – Reportagem, Escola Profissional Torres Vedras
Pág. 28 – Reportagem, Universidade Lusófona
Pág. 30 – Ensaio de Cavalos de Desporto, por Paulo Vidigal
Pág. 34 – Salão do Cavalo de Vila Franca de Xira
Pág. 35 – Feira de Maio de Felgueiras
Pág. 36 – Romeiros de S. Martinho, Golegã
Pág. 38 – Equitação, por Cor. Netto de Almeida
Pág. 42 – Comentário, por Cor. José Miguel Cabedo
Pág. 46 – Tauromaquia, por Dr. Domingos da Costa Xavier
Pág. 50 – Tauromaquia, por Dra Antonieta Janeiro
Pág. 52 – Tauromaquia, por Dr. João Carrinho
Pág. 54 – Leilão de Alter, por Ten. Manuel Henriques
Pág. 56 – Resistência Equestre, por João Bagulho
Pág. 60 – Reportagem, Centro de Hipoterapia de Almada
Pág. 62 – Crónica, por Dra Rita Gorjão Clara
Pág. 64 – Join Up, por Anna Kerckhoff
Pág. 66 – Corridas de Galope, por Eng. Victor Malheiro

Mário Miguel no Campo Pequeno

Foto de Francisco Romeiras in www.tauromania.pt

Aqui vos deixo os endereços dos artigos escritos sobre a actuação de Mário Miguel na primeira praça do país o Campo Pequeno.

TouroBravo.com

http://www.tourobravo.com/cronicas/2006/campopequeno3.html

Tauromania.pt

http://tauromania.pt/noticias_detail.php?typ=cronicas&aID=716

http://tauromania.pt/noticias_detail.php?typ=reportagens&aID=724

MundoToro.com

http://www.mundotoro.com/