maio 20, 2007

Festival dos Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense

Realizou-se sexta-feira dia 18 de Maio pelas 21 horas na Praça de Toiros da Ilha Terceira, o 5º Festival dos Forcados, organizado pelos Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense (T.T.T.).
Do cartel faziam parte os cavaleiros Tito Semedo, Tiago Pamplona, Jason Palma e o praticante Rui Lopes, na lide de sete toiros de sete ganadarias terceirenses, a totalidade das pegas estiveram a cargo do grupo de forcados organizador.
O frio apoderou-se da noite, mas as bancadas apresentavam uma moldura humana bonita, com o público a ocupar cerca de meia casa forte.
No inicio das cortesias o silêncio tomou conta da Monumental de Angra, num minuto de silêncio em homenagem aos dois aficionados que partiram, de junto de nós recentemente, um adeus sentido ao critico Ricardo Jorge e ao antigo forcado Tomás Borba.

O primeiro toiro da noite pertencente à ganadaria de Rego Botelho, a ganadaria mais antiga a concurso, coube ao cavaleiro alentejano Tito Semedo. O cavaleiro de Beja desenvolveu uma brega acertada com boa escolha dos terrenos, onde colocou o toiro, para depois deixar bem no alto os ferros da ordem. No seu segundo, um toiro com o ferro dos Irmãos Toste e com o número 80, um bravo, a que o cavaleiro alentejano não deu a lide adequada, recebeu o toiro na égua Maravilha para depois no segundo tércio sacar o Serrano. Este causou grandes dificuldades ao seu cavaleiro, dando varias sacadas na mão, despapando-se, não se parava no inicio da sorte, criando dificuldades ao cavaleiro que colocou os ferros aliviados e a cilhas passadas.
Este toiro da ganadaria dos Irmãos Toste foi agraciado como o prémio de melhor toiro da noite, prémio este aceite pela maioria do público presente, coisa rara nos dias que correm, o júri deste concurso era constituído por João Pães, José Lima e José Valadão.

O cavaleiro terceirense Tiago Pamplona apresentou-se á aficion da sua terra com renovada vontade e postura, foi bonito ver a evolução deste nosso cavaleiro, mais maduro, a mexer com o toiro, com uma brega acertada e com um conhecimento apurado da lide que deu ao bravo da Casa Agrícola José Albino Fernandes, recebeu este montando na Gaiata e deixou três ferros compridos de boa nota, desenhando bem as sortes e com boa colocação da ferragem. Na série dos curtos e já com o Boa Hora apontou três curtos de razoável execução mas com o toiro a transmitir um pouco menos aquando da reunião, resultando as reuniões um pouco desajustadas, mas já no fim da lide Tiago troca de montada e trás o Ovni que aguentando a investida do oponente cravou quanto a mim o ferro da noite, saindo o cavaleiro terceirense em plano superior. O quinto da noite da ganadaria de Humberto Filipe que ostentava o número 122 não deixou o cavaleiro da quinta do Malhinha bordar o seu toureio, foi manso do principio ao fim da lide não deixando qualquer possibilidade de triunfo ao jovem açoriano.

Jason Palma apresentou-se pela primeira vez à afiicion açoriana, não deixando na arena terceirense nenhum perfume de toureria, já que no seu primeiro um toiro da ganadaria de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues com arrancadas de manso e muito distraído do cavalo, pouco ao nada poderia fazer já no seu segundo um bonito exemplar da ganadaria de João Cardoso Gaspar, andou desconectado com o toiro do principio ao fim da lide não se acoplando às suas investidas, mostrando uma verdadeira falta de noção de lide, a destacar a alma e coração do seu cavalo Lux, pois sem ele nada poderia ter feito o cavaleiro luso-britânico.

O jovem cavaleiro praticante Rui Lopes, recebeu o toiro número 39 da ganadaria de Francisco Sousa montado na égua Pocahontas. O novel cavaleiro praticante terceirense esteve correcto na brega e colocação da ferragem comprida. No segundo tércio e já com a sua montada de confiança, o Açúcar, o jovem cavaleiro realizou a lide mais completa e vibrante do festival, colocou um excelente série de quatro ferros curtos, atacando o oponente, que se fechava em tábuas, num terra a terra vibrante, para depois de uma batida ao piton contrário cravar em todo o alto uma excelente sequencia de ferros curtos.

Na forcadagem estiveram bem o forcados organizadores, com rodagem de elementos mais jovens. Foram à cara Leonardo Gonçalves em noite não, à quarta tentativa, para o segundo da noite o forcado escolhido pelo cabo Adalberto Belerique foi Marco Fontes (Foca) numa excelente pega, de execução técnica perfeita, à primeira tentativa, na cara do terceiro da ordem foi caras o jovem Décio Dias (Nini) a aguentar bem o derrote do toiro, fechando-se muito bem de braços consumando a pega ao primeiro intento. Na segunda metade do espectáculo saltou à praça pela primeira vez um forcado de apenas 14 anos, de seu nome Luís Leandro que se fechou com ganas à primeira tentativa, no quinto da noite teve na cara o forcado Olger Melo numa boa cara à 2º tentativa, para o sexto saltou as tábuas o jovem José Vicente que fechou-se numa rija pega ao primeiro intento e por último Pedro Santos numa pega dura à segunda tentativa. Grandes e excelentes ajudas forma as do jovem contra-caras Bruno Furtado a merecer uma volta à arena, aqui um reparo ao público presente que muitas vezes se esquece daqueles que muitas vezes são responsáveis pela consumação de muitas pegas, os ajudas.

Os bandarilheiros de serviço cumpriram e bem a sua função com destaque para um pormenor de Jorge Silva (Zana) na recolha dos toiros.
Dirigiu com acerto o Festival o senhor Carlos João Ávila assessorado pelo Dr. Vielmino Ventura.
Uma pequena chamada de atenção à organização. Inicialmente estava anunciado que durante o intervalo seriam feitas algumas pegas pelas escolas de forcados da T.T.T., o que não aconteceu, a meu ver deveria ter sido anunciado ao público a razão da sua não realização.
Em suma uma noite fria pelo tempo que se fez sentir, mas agradável pelo que se passou na arena.

Duarte Bettencourt

0 comentários: