Feira de São João começa amanhã

A Feira de São João deste ano tem o seu inicio, amanhã dia 21 de Junho, com uma Corrida Concurso de Ganadarias...

Triunfo de Tiago Pamplona e Sérgio Aguilar no Festival de Beneficência

Há já algum tempo que não tinha o prazer de tomar notas numa corrida de toiros...

Comunicado - Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande - Feira de São João 2015

"O Grupo de Forcados de Amadores do Ramo Grande anuncia que não pegará no Concurso de Ganadarias da Feira de São João 2015 "

junho 30, 2007

Galeria Fotográfica da 3ª Corrida da Feira de São João 2007

3ª Corrida da Feira de São João 2007

Fotos de Duarte Bettencourt

Sanjoaninas 2007


É já daqui a duas horas que a Praça de Toiros Ilha Terceira abrirá as suas portas, para acolher à terceira corrida da Feira de São João 2007.
Do cartel fazem parte os Matadores de Toiros José Luís Gonçalves, "El Cid" e "El Gallo", que irão lidar um curro de Rego Botelho.
Não perca a reportagem fotográfica depois da corrida assim como a crónica da mesma, aqui no Terceira Taurina.

2ª Corrida da Feira de São João 2007

Decorreu ontem, dia 29 de Junho, pelas 18 horas e 30 minutos na Monumental Praça de Toiros Ilha Terceira a 2ª Corrida da Feira de São João 2007. Com ¾ de ocupação das bancadas, a corrida contou com a presença em cartel dos jovens cavaleiros Tiago Pamplona e João Telles filho, dos forcados da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, dos Amadores de Moura e do matador salmantino López Chavez. Lidaram-se toiros da ganadaria Casa Agrícola José Albino Fernandes. Na direcção da corrida esteve irrepreensível o Sr. José Valadão.

Ao início da tarde o dia apresentou-se chuvoso e pouco apetecível para ir aos toiros, mas com o aproximar da hora da corrida o tempo melhorou significativamente, proporcionando um ambiente próprio da corrida de toiros, sol e toiros.
O tempo que se fez sentir antes da corrida, afastou algum público das bancadas.

O cavaleiro terceirense Tiago Pamplona abriu praça para lidar o toiro Ninféu, número 191 e com 470 quilos, o cavaleiro terceirense bregou bem e melhor colocou o toiro, para depois em sorte lhe cravar bem no alto do murrilho três ferros compridos de boa nota. No segundo tércio o cavaleiro da Quinta do Malhinha fez descer a sua actuação, abusando das batidas ao piton contrário, desviando a trajectória do oponente, fazendo com que as reuniões fossem algo aliviadas, colocando de forma irregular a ferragem da ordem. No final da lide, bem esteve o cavaleiro em não querer dar volta à arena.
No seu segundo toiro o cavaleiro tinha reservado à aficion terceirense a lide da tarde. O cavaleiro recebeu o Nato, com o número 181 e 470 quilos de peso montado na Gaiata, com ela colocou três compridos de boa nota e de boa colocação, de novo o cavaleiro realizou um boa brega e colocação do toiro em sorte. Continuando com a mesma montada, coisa rara nos dias que correm, o cavaleiro terceirense colocou três ferros curtos com especial destaque para o primeiro, ao estribo e arrematado como mandam as regras e para o terceiro num arrimado ferro ao violino, finalizou a lide a este bravo Albino com um palmito de excelente colocação, saindo sobre forte ovação do conclave.

Para as pegas do lote de toiros de Tiago Pamplona foram solistas pelos Amadores de Moura, Luís Monje e César Fonseca em duas caras de grande nível, ambas à primeira tentativa, o grupo esteve coeso e a dar vantagens aos oponentes. Destaque para o desempenho do rabejador de serviço Pedro Acabado, o cabo do grupo.


João Telles filho apresentou-se à aficion terceirense de casaca e tricórnio depois de em 2005 ter estado entre nós ainda como amador. Nesta altura o jovem cavaleiro denotava ter natural desenvoltura para a lide equestre, o que mantêm até os dias de hoje, só que com o passar do tempo e com as muitas idas ao país vizinho, de lá trouxe um pouco do rejoneio que ali se pratica, senão vejamos, no seu primeiro toiro depois de um brega excelente e com o toiro nos médios o despacha com um ferro à meia volta, para o segundo comprido e sem se parar coloca o segundo, só no terceiro e de praça a praça fez lembrar o Joãozinho Telles. Para o segundo tércio sacou outro cavalo e colocou três curtos, para no final sacar outro para colocar um par de bandarilhas que saiu desunido aquando da reunião. Uma lide irregular de João Telles filho.
No seu segundo toiro, o primeiro tércio afina pelo mesmo diapasão do executado no seu primeiro toiro, dois ferros compridos a despachar, nos curtos destaque para o primeiro e segundo da ordem e para o palmito que finalizou a lide ao sexto da tarde.

Para as pegas do Nómada, número 198 e do Navegador, número 186, que pesaram na balança 450 kg e 500 kg respectivamente estiverem os Amadores da T.T.T., na cara destes estiveram Jorge Ortins, à primeira tentativa com o toiro a fugir ao grupo e Marco Sousa numa cara dura à terceira tentativa. Nota positiva para a juventude das ajudas a mostrarem sítio e com excelentes condições técnicas.

López Chaves, toureiro de toiros duros e difíceis, encaixou-se perfeitamente neste cartel tendo demonstrado ofício e vontade de agradar. No primeiro toiro que pesou 495 kg, o matador esteve por cima do seu oponente que cedo demonstrou perigosidade de investida pelo piton esquerdo, a este toiro faltou trapio, bonito de apresentação mas de poucas hechuras. O matador salmantino deu-lhe a lide possível baseada na mão direita destacando-se a terceira série de derechazos arrematados com um bonito passe de peito, destaca-se também a entrega total do matador durante toda a lide, agradando ao público presente. No seu segundo, o toiro mais leve da corrida, de nome Marco, com 415 kg, López Chavez, recebeu de joelhos em terra com dois afarolados, para de seguida lancear por verónicas. No terceiro tércio o matador iniciou a lide de muleta de rodilhas em terra, levando o toiro de tábuas até aos tércios, aí toureou pela direita com alguns passes de mérito, provou a esquerda do toiro, mas este saía solto dos lances. Destaque para a última série pela direita, templada e sentida. Nota de grande seriedade para com a festa deu-nos López Chaves, o matador só saiu a agradecer a faena e dar a volta, quando para isso foi solicitado pelo público presente, coisa rara hoje em dia e que muitos dos artistas que pisam as arenas portuguesas deveriam seguir de exemplo.

O curro bem apresentado da Casa Agrícola José Albino Fernandes, que pesou em média 467 quilos, teve o seu expoente máximo no quinto toiroda tarde, um cardeno de nome Nato que saiu em sorte ao cavaleiro terceirense Tiago Pamplona, um bravo que honrou a fama da sua casa ganadeira. Os restantes cumpriram, com excepção do primeiro toiro de López Chavez.


Duarte Bettencourt

junho 29, 2007

Galeria Fotográfica da 2ª Corrida da Feira de São João

2ª Corrida da Feira de São João 2007

Fotografias de Duarte Bettencourt

junho 28, 2007

Sanjoaninas 2007


Não perca amanhã, 24 de Junho, pelas 18 horas e 30 minutos na Praça de Toiros Ilha Terceira à segunda Corrida da Feira de São João 2007.
No cartel figuram Tiago Pamplona, João Telles filho, López Chavez, os Forcados Amadores da T.T.T. e de Moura, os toiros pertecen à ganadaria da Casa Agrícola José Albino Fernandes.
Não perca a reportagem, aqui no Terceira Taurina.

junho 26, 2007

Assim se cria aficion

Realizou-se hoje pelas 11 horas da manhã na Praça de Toiros da Ilha Terceira a Corrida das Crianças, que como o próprio nome indica era destinada às crianças das escolas do Concelho de Angra do Heroísmo, às crianças da terceira idade e a todo o público em geral.
Fizeram as cortesias o cavaleiro amador João Pamplona, o novilheiro Filipe Proença “Chamaco” e os Forcados Infantis e Juvenis da Tertúlia Tauromáquica Terceirense capitaneados por Marco Sousa e Jorge Ortins. O toiro para o toureio a cavalo tinha o ferro da ganadaria de Oliveira Irmãos e o novilho para o toureio a pé assim como as vacas para o número cómico pertenciam à ganadaria de Rego Botelho.

João Pamplona recebeu o astado número 278 com o ferro de Oliveira Irmãos, montando no Malhinha II, com este cravou uma correctíssima série de ferros compridos todos em su sitio, de frente e arrematando todas as sortes. Para o segundo tércio o jovem cavaleiro da Quinta do Malhinha depois de ter colocado um ferro curto com o Ezequiel, trocou de montada e já na Gaiata, toureou de forma correcta, alegre e cheia de toureira chegando com força às bancadas.
Para a cara deste toiro saltaram à arena Michael Machado, à primeira tentativa fechando-se bem à barbela, pegou também à primeira o jovem forcado Álvaro Dentinho bem ajudado pelo forcado Marco Patrício. Uma nota de congratulação para os cabos deste grupo de jovens, pela forma como estes parecem gente grande a de pegar toiros.

A parte apeada da corrida contou com a presença do vencedor do concurso à procura de novos toureiros do Campo Pequeno, Filipe Proença “Chamaco”, que esteve artista e variado com o capote. Recebeu o novilho número 458 de Rego Botelho por uma larga afarolada de joelhos em terra, para depois desenhar verónicas cingidas, por fim rematou o primeiro tércio com um quite por lopezinas. Nas bandarilhas esteve poderoso e seguro finalizando a contenda com um par a violino. Já com a muleta em punho recebeu o nobre novilho nos médios com os pés juntos com passes cambiados, depois com a mão direita toureou de feição alternado com naturais de classe superior. Este “Chamaco” ao invés do que muitos diziam dele mostrou ter pernas para andar nesta difícil arte do toureio.

A parte cómica da corrida contou com a presença dos capinhas Jéjé, Dimas e Martelo que fizeram as delícias dos presentes com saltos e tropelias, bem do agrado da criançada.
As vacas de Rego Botelho do número cómico, forma pegadas pelos jovens forcados Tomás Ortins, Bernando Dentinho, Carlos Miguel e César Santos que mostraram a todos os presentes que é de pequenino é que se troce o pepino.

E assim se cria aficion na Ilha Terceira.
Duarte Bettencourt

Reportagem fotográfica da Corrida das Crianças

Tourada das Crianças - Sanjoaninas 2007


Fotografias de Duarte Bettencourt

A primeira das Sanjoaninas

No passado domingo, dia 24 de Junho, dia de São João, a praça de Toiros da Ilha Terceira encheu-se de ¾ de casa de público, para assistir à primeira corrida da Feira da São João 2007, integrada nas festas Sanjoaninas.
O dia amanheceu nublado e com alguns chuviscos, mas teve boas abertas durante a manhã e princípio da tarde tornando-se nublado novamente para o fim da tarde.
No exterior da praça já se sentia o “cheiro” a toiros. Muitos dos que há muito não se viam, cruzavam dois dedos de conversa e à medida que o relógio avançava, os nervinhos miudinhos próprios de um início de feira já se faziam sentir.
As 18 horas e 30 minutos bateram no relógio da praça e as cortesias avançaram ao som de um passodoble executado pela Filarmónica Recreio Serretense. O Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense sob o comando de Adalberto Belerique iniciaram as mesmas, seguidos do matador de toiros “El Capea” e restantes quadrilhas, a cavalo vieram João Moura filho de casaca bourdeaux bordada a ouro e Leonardo Hernadez filho de traje campero cinzento, por último os pastores das ganadarias locais de Rego Botelho e Irmãos Toste, na direcção da corrida esteve o Sr. Carlos João Ávila assessorado pelo Dr. Veterinário Vilemino Ventura.

O jovem cavaleiro João Moura filho, apresentou-se à aficion terceirense com ganas de triunfo, no seu primeiro toiro o niño Moura esteve correcto na brega e colocação do toiro dos Irmãos Toste, desenhando uma lide séria e dentro dos parâmetros do toureio clássico, foi de frente para o toiro e colocou quanto a mim os melhores ferros da tarde e mostrou a muitos que também toureia de frente e pelos cânones do toureio equestre. No segundo do seu lote Moura chegou mais ao público com o seu toureio de ladeio, numa execução de toureio de menos verdade mas de mais espectacularidade, que chegou muito bem aos tendidos, saindo em apoteose após a colocação de dois palmitos ao violino. Agradou o toureio sério e variado deste menino prodígio da tauromaquia mundial.

Já o seu alternante, Leonardo Hernandez filho, esteve correcto no primeiro toiro que lhe coube em sorte toureando de frente e arrematando as sortes como mandam as regras. No seu segundo as coisas já não correram tão bem, o jovem rejoneador não se entendeu com o bonito toiro dos Irmãos Toste, que pesou na balança 515 kg, deixando aos presentes uma lide sem história.
Uma chamada de atenção ao rejeonador Leonardo Hernandez filho. Aqui como em qualquer praça portuguesa que se preze, o cavaleiro só deve dar volta à arena quando a isso tem direito, caso isso não aconteça, como foi o caso, não deve o cavaleiro ouvir palmas à custa do labor do jovem forcado da cara, que no caso concreto executou a pega da tarde. Mais, o cavaleiro tendo a noção disso em vez de sair pela porta dos cavalos saiu pela trincheira com o forcado José Vicente, que merecia da parte do público uma chamada aos médios, para aí sim ser-lhe tributado a ovação merecida.

O Grupo de Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica que se apresentou sozinho em praça pegou os quatro toiros da ganadaria de Irmãos Toste, todos à primeira tentativa. Foram caras e por ordem de intervenção os forcados João Pedro Ávila, numa pega segura e de boa execução técnica, Décio Dias “Nini”, numa cara correcta, Marco Fontes “Foca”, numa rija e bem conseguida pega fechando-se com garra à barbela e por último o forcado da tarde, José Vicente, que com garra e determinação aguentou o violentíssimo derrote do toiro, consumando a pega da tarde.

“El Capea” filho do matador “Niño de La Capea”, apresentou-se entre nós com um toureio variado de capote, desenhando os lances com muita classe e toureria fazendo soar alguns olés a quando da série de verónicas templadas e bem desenhadas que deu ao primeiro toiro de Rego Botelho, neste mesmo toiro e acusando a falta da sorte varas, o toureiro salmantino não entendeu o oponente, que a meu ver tinha muito mais para dar. Já no seu segundo, um nobre e bravo toiro de Rego Botelho, “El Capea” esteve em sintonia com o toiro e aproveitando a nobreza deste, sacando-lhe alguns derechasos profundos e sentidos, mesclados com mandados passes de peito.
Uma chamada de atenção a quem de direito. Os toiros da parte apeada da corrida saíram à arena muito afeitados, sei que assim tem de ser neste Portugal das touradas, mas no caso concreto não acham que foi demais?

Por fim os toiros, estes vieram bem apresentados e com boas condições de lide, umas vezes aproveitadas pelos intervenientes outras não, destaque para o 1º toiro da corrida, de nome Dançarino, com o número 73 de Irmãos Toste, lidado por João Moura filho, na parte equestre e o 6º da corrida lidado por “El Capea”, na parte apeada, que quanto a mim foi um toiro nobre e bravo da ganadaria de Rego Botelho, que ostentava o número 451 de nome Descoronado.

Foi assim a primeira de quatro corridas que compõem a Feira de São João 2007.

Duarte Bettencourt

junho 25, 2007

Galeria Fotográfica da 1ª Corrida da Feira de São João 2007

1ª Corrida da Feira de São João 2007

Fotografias de Duarte Bettencourt

junho 24, 2007

1ª Corrida da Feira de São João 2007


Decorreu hoje na Praça de Toiros Ilha Terceira a 1ª Corrida da Feira de São João, integrada nas Sanjoaninas 2007.
João Moura filho esteve em grande plano no primeiro toiro do seu lote, esteve correcto num conceito mais clássico do toureio, no seu segundo depois de uma lide em crescendo e com o toureio mourista que lhe é familiar, galvanizou o público terceirense, na melhor e mais aplaudida faena da tarde.
Leonardo Hernandez filho apontou bons momentos no primeiro do seu lote, já no segundo andou pouco ligado não dando a lide adequada ao toiro dos Irmãos Toste.
Os toiros da ganadaria do Cabo da Praia, para o toureio a cavalo, saíram bem apresentados e a cumprir.
As pegas foram executadas todas à primeira tentativa pelos Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense.
“El Capea” filho do famoso “Niño de La Capea” deixou no primeiro toiro de Rego Botelho alguns passes com profundidade, mas ao segundo do seu lote o toureiro salmantino deu lide adequada, com grandes momentos de toureio, galvanizando as bancadas.
Os toiros de Rego Botelho bem apresentados, tendo o segundo toiro desta ganadaria excelentes condições de lide.
Em breve traremos até vós a crónica completa da 1ª Corrida da Feira de São João 2007.

Duarte Bettencourt

junho 23, 2007

Corridas da Feira de São João em Directo na net

As corridas da Feira Taurina de São João incluídas nas Sanjoaninas 2007, poderão ser vistas em directo no site da Viaoceanica. Não perca esta oportunidade. Visite.

Sanjoaninas 2007


Não perca amanhã, 24 de Junho, pelas 18 horas e 30 minutos na Praça de Toiros Ilha Terceira à Primeira Corrida da Feira de São João 2007.
O Cartel é composto por João Moura filho, Leonardo Hernandez filho, “El Capea”, pelos Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, os toiros pertencem às ganadarias de Rego Botelho e Irmãos Toste.

O Terceira Taurina estará presente e trará até vós, estimados visitantes, a crónica da corrida. Não perca toda a informação da Feira de São João 2007, aqui no TT.

junho 21, 2007

Programação Taurina este Fim de Semana

22 de Junho / Sexta-Feira

Magazine Tauromáquico pelas 23 horas na RTP Açores

23 de Junho / Sabado

Magazine Tauromáquico pelas 11h30m na RTP Açores r/

Tourada à Corda pelas 19 horas na RTP Açores

24 de Junho / Domingo

Tourada à Corda pelas 11h30m na RTP Açores r/

Arte & Emoção pelas 18 horas na RTP 2

Reinauguração da Praça de Touros de Évora pelas 21h15m na TVI

Olé e Farpas desta Semana

junho 16, 2007

Forcados da T.T.T. em Moura



O Grupo de Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense está anunciado para a 2ª Corrida da Revista Ruedo Ibérico, que se realiza no próximo dia 15 de Julho na Praça de Toiros de Moura. O restante cartel é composto por Luís Rouxinol, Rui Fernandes, Mónica Serrano e Isabel Ramos na chamada 2ª Guerra das Esporas, na forcadagem estarão os Amadores de Lisboa, Real Grupo de Moura e os acima anunciados Amadores da T.T.T.. Os toiros serão da Ganadaria de António Charrua.
Duarte Bettencourt

junho 15, 2007

Programação Taurina na TV










Não perca no próximo domingo dia 17 de Junho pelas 14 horas, na RTP2 o 8º programa Arte & Emoção.
No 8º Arte & Emoção poderá assistir ao resumo de 2 corridas realizadas em Santarém, a corrida de Assunção Coimbra que teve lugar no Centro Nacional de Exposições e a de 7 de Junho na Monumental Celestino Graça.A rubrica Memórias recordará a alternativa de João Moura e poderemos ainda assistir uma visita à ganadaria de Rego Botelho.
Mais um Arte & Emoção a não perder.



Não perca também o programa Tourada à Corda, da autoria de Rui Messias e Luís Rafael do Carmo, na RTP Açores no próximo sábado pelas 19 horas. Este programa, produzido pela Realsom Audiovisuais, é exclusivamente dedicado ao mais popular espectáculo da ilha Terceira a Tourada à Corda.

Agenda da Tourada à corda do Mês de Julho

3 de Julho

Casa da Ribeira – Sta. Cruz
Bezzerros de Humberto Filipe

4 de Julho

Casa da Ribeira – Sta. Cruz
Toiros de Humberto Filipe

Nª Senhora da Ajuda – Vila Nova
Toiros de Humberto Filipe

5 de Julho

Casa da Ribeira – Sta. Cruz
Toiros de Humberto Filipe

7 de Julho

Terreiro – São Bartolomeu
Toiros de Daniel Nogueira

Largo da Fontinha – Fontinhas
Toiros de Manuel João

8 de Julho

Hiper Modelo – São Bento
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Cales – Altares
Toiros de Humberto Filipe

Ribeira Mª Vieira – Santa Bárbara
Toiros de Humberto Filipe

Largo da Fontinha – Fontinhas
Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

9 de Julho

Canada do Tapete – Porto Judeu
Vacas da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Rua Longa – Biscoitos
Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

10 de Julho

Rua Longa – Biscoitos
Bezerros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

11 de Julho

Bairro de São Pedro – Biscoitos
Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

13 de Julho

Porto Judeu de Cima
Toiros de Rego Botelho e da Casa Agrícola José Albino Fernandes

14 de Julho

Porto Judeu de Cima
Toiros de Rego Botelho e da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Terreiro do Paço – Ribeirinha
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Corpo Santo – Conceição
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Canada do Capitão Mor – São Mateus
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Bairro do Joaquim Alves – Sta. Cruz
Toiros de João Gomes

15 de Julho

Bairro do Joaquim Alves – Sta. Cruz
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Canada do Capitão Mor – São Mateus
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Campo da Bola – Vila Nova
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

16 de Julho

Porto de Pesca – Porto Judeu
Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

17 de Julho

Porto de Pesca – Porto Judeu
Toiros de Humberto Filipe

18 de Julho

Poço do Além – Porto Judeu
Bezerros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

Baía do Refugo – Porto Judeu
Toiros de Humberto Filipe

Carreirinha – São Bento
Toiros de Rego Botelho, de Herds. de Ezequiel Rodrigues, de Humberto Filipe e de Francisco Sousa

19 de Julho

Refugo – Leões – Porto Judeu
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

20 de Julho

Terreiro – Porto Judeu
Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

21 de Julho

Terreiro – Porto Judeu
Toiros de Humberto Filipe

Meio da Rua – Ribeirinha
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Largo João Caetano – Casa da Ribeira – Sta. Cruz
Toiros de Humberto Filipe

22 de Julho

Meio da Rua – Ribeirinha
Toiros de Rego Botelho e de João Cardoso Gaspar

Largo de Sto. António – Porto Judeu
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Bairro do Joaquim Alves – Sta. Cruz

Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

23 de Julho

Grota do Medo – Posto Santo
Toiros de Elizeu Gomes

24 de Julho

Fonte da Vila – São Sebastião
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

25 de Julho

Fonte da Vila – São Sebastião
Toiros de Rego Botelho

27 de Julho

Fonte da Vila – São Sebastião
Toiros de Rego Botelho e da Casa Agrícola José Albino Fernandes

28 de Julho

Fonte da Vila – São Sebastião
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Asa Preta – Sta. Rita – Sta. Cruz
Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

29 de Julho

Estrada 25 de Abril – Sta. Cruz
Toiros de Herds. de Ezequiel Rodrigues

Fonte da Vila – São Sebastião
Toiros de Rego Botelho

31 de Julho

Regatos – São Bartolomeu
Toiros de Rego Botelho, da Casa Agrícola José Albino Fernandes, de Herds. de Ezequiel Rodrigues e de Humberto Filipe.

À Igreja – Fontinhas
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

junho 14, 2007

Farpas e Olé desta semana

junho 13, 2007

Francisco Parreira, aficionado, embalsamador, embolador e criador de cavalos.

Duarte Bettencourt – Como surgiu a ideia de se tornar embolador de toiros?

Francisco Parreira – A ideia surgiu numa conversa com o António Pontes, numa altura em que se estava a preparar a carteira de embolador do Vielmino Ventura.
O regulamento tauromáquico exigia dois emboladores, pois um embolador não consegue fazer o trabalho sozinho, o Pontes tirou-me o juízo e fez com que eu acompanhasse o Vielmino, tirando também a carteira profissional de embolador de toiros.

D. B. – Com quem aprendeu esta arte?

F. P. – A primeira pessoa que me ensinou a embolar um toiro foi o Vielmino, mas houve uma pessoa que foi muito importante para a minha aprendizagem, o senhor João do Sobral que já não se encontra entre nós. Ele muito me ensinou, se eu hoje sou alguma coisa na arte de embolar e de fazer a ferragem, a ele o devo.

D. B.– No que consiste a função do embolador?

F. P. – A função do embolador tem duas partes distintas:
Na corrida à portuguesa põe as bolas de couro nas hastes dos toiros, não é uma tarefa fácil, é até bastante perigosa. Quando se fala que o cavaleiro ou o matador está num perigo eminente, muito poucos se lembram que o toiro antes de chegar à arena, chegou primeiro à mão do embolador integro ou seja em hastes limpas, e quando sai da mão do embolador oferece muito menos perigo para os artistas tauromáquicos. O toiro para a lide equestre vai devidamente embolado, é um processo que não é de fácil execução e deste depende a lide do toiro. Suponhamos estar um cavaleiro numa tarde inspiradíssima, estar o toiro a cumprir de bandeira e se lhe sai as bolas da cabeça, está a tarde estragada. Fazemos o possível e o impossível para que isto não aconteça e que o toiro entra e saia da arena embolado.
A outra parte é para mim muito mais difícil e consiste no afeitar as hastes dos toiros para a corrida a pé. Por vezes geram-se algumas confusões na altura de afeitar os toiros porque cada matador, cada apoderado, cada representante tem uma maneira de ver as coisas, todos querem o menor perigo para o seu representado e nós temos de fazer aquilo que o regulamento tauromáquico permite. Nós não afeitamos os toiros de qualquer maneira, não fazemos por fazer, há uma bitola para fazer a medida correcta do afeitamento, portanto há uma regra que nem sempre é compreendida, uns acham de mais, outros de menos e nós tentamos fazer de modo que todos saiam satisfeitos.

D. B.– O embolador não tem apenas a função de embolar, tem também a confecção da ferragem a seu cargo.

F. P. – Isto é a outra faceta do embolador que poderá ser feita ou não pelo embolador, não é obrigatório que seja ele a fazer a ferragem, isto foi o juntar do útil ao agradável. Eu interessei-me também por esta parte e faço isso hoje em dia, com algum à vontade, mas nem sempre foi assim.
Fazer a ferragem para uma corrida de toiros tem muito que se lhe diga, tem as suas regras, depois a confecção da ferragem tem muito a ver com a superstição do artista, há também aquele que quer a bandarilha mais curta e aquele que quer a bandarilha mais cumprida, e nós temos de fazer um trabalho de pesquisa, temos que conhecer o artista por assim dizer. A parte mais negativa é termos de aguentar muitas vezes com o mau momento do artista, quando a ferragem cai, nunca a culpa é do artista é sempre culpa do ferro, mas nós temos que compreender isso, faz parte da festa e assim tem de ser.

D. B. – Na trincheira, com certeza já passou por situações engraçadas e outras nem por isso, situações estas que passam despercebidas ao grande público. Pode-nos contar alguma?

F. P. – O trabalho que nós fazemos na praça ou na jaula de embolação é pouco visto e não dá azo a muitas situações. Mas passou-se uma história engraçada que vos posso contar. A dada altura veio um artista tourear à praça de Angra e no dia antes da corrida, o representante deste chegou junto de mim e disse-me que a ferragem cumprida tinha que ser mais cortada, a razão dada pelo representante era que o determinado artista não tinha força suficiente para partir a ferragem, eu tinha a ferragem toda feita e não era fácil dizer que não à pessoa e disse que ia resolver pelo melhor, não fiz nada como é obvio e no outro dia durante a lide, os ferros cumpridos partiram-se antes de chegar ao toiro, agora imagine-se só que eu corto mais, não metia um que fosse.

D. B. – Sei que um dos seus maiores hobies são os cavalos. Fale-nos um pouco deles?

F. P. – Os cavalos são outra faceta que me entrou no sangue e agora é difícil de sair. Para já eu tenho cavalos porque gosto, sou proprietário de um centro equestre e sou também sócio de uma coudelaria, além disso penso que os cavalos são um investimento válido na educação dos filhos e eu tenho uma filha que felizmente gosta muito de cavalos, faz tudo pelos cavalos, e que graças a Deus nunca me deu desgostos e se calhar devo isto aos cavalos. Depois é aquele bichinho que entra dentro de nós e de repente apaixonamo-nos pela criação, que é o que eu mais gosto de fazer, pois em termos de equitação estou relativamente limitado, pouco ou nada faço, mas na criação gosto de fazer ou imaginar aquelas cruzas, que nós pensamos vir a ser o melhor poldro do mundo. Gosto de trabalhar este aspecto e é isto que me apaixona e faz com que hoje seja sócio de uma coudelaria, o Centro Equestre “O Ilhéu”, criamos cavalos lusitanos e temos conseguido obter bons produtos, porque excelentes ainda não conseguimos obter, mas vamos trabalhar para que um dia isso aconteça.

D. B.– Além de grande aficionado, criador de cavalos e embolador o Francisco Parreira trabalha também a arte de Francisco Parreira, aficionado, embalsamador, embolador e criador de cavalos. Como surgiu esta faceta na sua vida?

F. P. – Esta foi a primeira de todas, começou ainda antes de casar, ai á uns 21 anos, quando em casa do meu sogro se matou uma bezerra. Aí surgiu a pergunta porque é que não se conservava a cabeça?
O meu sogro tinha tido uma experiência com o senhor António Hilário Jerica, que está hoje emigrado no Canadá, que foi talvez a pessoa que mais fez pela arte de embalsamar nesta terra e que imortalizou muitos toiros, dos quais lembro o 71, o descornado velho do José Parreira e muitos outros. Antes de ir para o Canadá, o senhor António tinha falado com o meu sogro e tinha lhe explicado mais ou menos como se fazia o embalsamamento, nós pegamos nesta informação e fomos tentando melhorar dia após dia e hoje já imortalizamos muitas cabeças de toiros, tentando sempre melhorar para que estas sejam o mais reais possíveis.

D. B.– Qual foi a cabeça que mais gozo lhe deu embalsamar?

F. P. – Uma das que mais gosto me deu embalsamar foi a cabeça do 84 e porquê? Porque foi um toiro que merecia ficar na história da tourada à corda da ilha Terceira, foi um toiro extraordinário que pertenceu à ganadaria de José Albino Fernandes, que merece que as pessoas ainda o olhem com admiração, mesmo passados bastantes anos da sua morte.

Caixa

António Cardoso Ventura
Ao falarmos de cabeças de toiros embalsamadas não nos podemos esquecer do nome do senhor António Cardoso Ventura, que sendo filho de um lavrador, tomou o gosto pela terra e pela tradição de sua casa. Começou por construir cangas de bois, para depois as colocar por cima das suas primeiras cabeças que também eram feitas em madeira. Porém o seu sonho era de um dia poder embalsamar cabeças de gado bravo.
O senhor António Hilário Jerica, que trabalhou na fábrica de curtumes da Guarita, ensinou-lhe como é que se faziam os produtos para a conservação das peles e um dia após uma matança em sua casa decidiu junto com os seus genros embalsamar a sua primeira cabeça.
Desde ai deu em formar gosto pela arte e foi-se aperfeiçoando com o tempo.
Das muitas cabeças de toiros que embalsamou, a que mais o marcou foi a do 84 do José Albino Fernandes.
Pelas suas mãos passaram muitos toiros, dos mais célebres aos mais desconhecidos, embarcou as suas obras para quase todas as ilhas, para a América e Canadá.
Tem orgulho na sua arte, que transforma para a posteridade aqueles que um dia foram bravos e adorados pelos mortais, e sabe que ela terá continuidade na sua família com o seu neto.

in Festa na Ilha nº11

Tourada no Caminho do Posto Santo

Um video de Fernando Pereira

Revista Festa na Ilha nº11 já nas bancas


A Revista Festa na Ilha, da responsabilidade da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, já se encontra nas bancas das papelarias e livrarias da Ilha Terceira.
O número 11 da Revista tem como tema de capa “Sanjoaninas 2007 – A Feira da Renovação” e no seu interior o já habitual painel de críticos e aficionados terceirenses que ano após ano saúdam os aficionados tereirenses e não só com as suas crónicas e artigos de opinião.
Mais um número da Festa na Ilha a não perder.

Duarte Bettencourt

junho 12, 2007

Toiros da Corda da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Logotipo do G.F.A.R.G.

Ivan Garcia na Corrida da Praia

Exclusivo Terceira Taurina

O matador de toiros Ivan Garcia lidará três toiros a solo na Corrida de Apresentação do Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande, agendada para o próximo dia 7 de Agosto, incluída no programa das Festas Concelhias da Praia da Vitória. Fica assim concluído o cartel que é constituído ainda pelo cavaleiro João Salgueiro, pelos Forcados Amadores do Ramo Grande e pelo curro de toiros da ganadaria de Rego Botelho, Casa Agrícola José Albino Fernandes e Irmãos Toste.

Duarte Bettencourt


Foto in MundoToro

junho 09, 2007

Arte & Emoção Amanhã na RTP2


O sétimo programa Arte & Emoção vai para o ar amanhã, dia 10 de Junho, pelas 18 horas na RTP2.
Neste programa poderemos assistir à corrida inaugural da Feira Taurina do Centro Nacional de Exposições e à corrida da Família Telles na Monumental Celestino Graça.
Teremos a oportunidade ainda para recordar a alternativa de Manuel Jorge de Oliveira, de ouvir as reflexões de Mário Freire na rubrica “Ao Quite” e de visitar a terra brava açoriana, para conhecer as ganadarias de Irmãos Toste e de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues. Um programa a não perder.

Cartaz da Feira Taurina na Ilha de S. Jorge

junho 06, 2007

Olé e Farpas desta semana

Agenda da Tourada à Corda do Mês de Junho



1 de Junho

Rua do Rossio
Bezerros de João Cardoso Gaspar

2 de Junho

Rua do Rossio
Toiros de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues

Outeiro
Toiros de Humberto Filipe

3 de Junho

Santa Luzia
Toiros de Humberto Filipe

4 de Junho

São João de Deus
Toiros de Humberto Filipe

Raminho
Toiros de Francisco Sousa

5 de Junho

Largo São João de Deus
Toiros de Rego Botelho

Fonte de S. Sebastião
Toiros de Humberto Filipe

S. Mateus
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

6 de Junho

Terreiro de S. Mateus
Toiros de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues e de Humberto Filipe

Vinha Brava junto à Feira Agrícola
Toiros de Rego Botelho, Casa Agrícola José Albino Fernandes, Herdeiros de Ezequiel Rodrigues e de Humberto Filipe

7 de Junho

Serra de Santiago
Toiros de Fernando Bettencourt

Fonte do Bastardo
Toiros de Francisco Sousa

Cantinho
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes e de Fernando Bettencourt

Terreiro no Porto Judeu
Toiros de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues

Ribeirinha
Toiros de Casa Agrícola José Albino Fernandes e de Manuel Rocha

9 de Junho

Rua de São João - Vila das Lajes
Toiros de Manuel Rocha

Largo do Porto Martins
Toiros de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues

Santa Bárbara
Toiros de Humberto Filipe

Santo Amaro na Ribeirinha
Toiros de João Cardoso Gaspar e Álvaro Amarante

Caminho do Posto Santo
Toiros de Casa Agrícola José Albino Fernandes e de Humberto Filipe

10 de Junho

Areal da Praia
Toiros de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues

S. João de Deus
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes, Herdeiros de Ezequiel Rodrigues, Elizeu Gomes e de Irmãos Toste

16 de Junho

Largo de São João - Vila das Lajes
Toiros de Humberto Filipe

Largo da Boa Hora
Toiros de Herdeiros de Ezequiel Rodrigues

Cinco Ribeiras
Toiros de Humberto Filipe

Caminho Velho - Feteira
Toiros de Humberto Filipe

17 de Junho

Largo de São João - Vila das Lajes
Toiros de Humberto Filipe

Corpo Santo
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

Doze Ribeiras
Toiros de Humberto Filipe

18 de Junho

Largo da Boa Hora
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes e de Humberto Filipe

19 de Junho

Praça da Vila Nova
Toiros da Casa Agrícola José Albino Fernandes

24 de Junho

Sanjonaninas 2007
São Pedro Espera de Gado (às 13h00)
Toiros de Elizeu Gomes

25 de Junho

Sanjonaninas 2007
Avenida dos Celeiros (às 18h00)
Toiros de Humberto Filipe

27 de Junho

Sanjonaninas 2007
Rua de São João (às 12h00)
Bezerros de Francisco Sousa

28 de Junho

Sanjonaninas 2007
Porto das Pipas (às 18h00)
Toiros de João Cardoso Gaspar

Horários: todas as touradas à excepção das inseridas nas festas Sanjoaninas, serão realizadas às 18h30m.

junho 05, 2007

Grandiosa Corrida Toiros de Apresentação do Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande


Exclusivo Terceira Taurina

A Grandiosa Corrida de Toiros de Apresentação do Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande, incluída nas Festas da Praia 2007, realizar-se-á no próximo dia 7 de Agosto pelas 20 horas e 30 minutos na Praça de Toiros Ilha Terceira.
A corrida contará na lide equestre com a presença do cavaleiro João Salgueiro e na lide apeada a corrida contará com um matador de toiros ainda por designar. Os toiros pertencerão às ganadarias terceirenses de Rego Botelho, Casa Agrícola José Albino Fernandes e de Irmãos Toste. As pegas da noite estarão a cargo no novel Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande, que fará a sua apresentação aos aficionados terceirenses.
Uma corrida a não perder.

Duarte Bettencourt

junho 04, 2007

Revista Equitação Maio/Junho


in Revista Equitação por Eduardo Carvalho


"Já se encontra em fase de impressão a próxima edição da revista «Equitação», referente aos meses de Maio/Junho.
Entre os temas em destaque contam-se uma reportagem alusiva à APASSIONATA e artigos sobre os Campeonatos Nacionais de Dressage e de Resistência Equestre e Taça Ibérica de Atrelagem, entre outros.
A não perder também uma entrevista ao cavaleiro Daniel Pinto acerca da sua vitória na final B da Taça do Mundo de Dressage com um cavalo lusitano; à juíza da FEI Mariette Whitages e ainda ao presidente da Junta de Turismo da Costa do Estoril, numa antevisão do CSI5* que se avizinha, no âmbito do prestigiado circuito profissional "Global Champions Tour".
A não perder…(...)"

1 de Maio de 2007

Um video de Fernando Pereira

Tourada nos Altares

Um video de Fernando Pereira

junho 01, 2007

"Outras Tauromaquias”

No passado dia 25 de Maio pelas 21h00, na sede da Tertúlia Tauromáquica Terceirense, foi lançado o livro "Outras Tauromaquias" co-autoria dos críticos tauromáquicos terceirenses Ricardo Jorge Mendes da Rosa, recentemente falecido e Mário Aguiar Rodrigues.
O livro reúne crónicas e textos escritos ao longo dos anos pelos dois críticos terceirenses.
O lançamento do Livro foi presidido pelo presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, Sr. José Pedro Cardoso, com intervenções de Mário Rodrigues e Pilar Belerique, filha de Ricardo Jorge.
Um livro a ter na sua biblioteca.

Cara Branca/Gordito


O Cara Branca (Gordito) como era aqui conhecido, nasceu na Ilha Terceira mais propriamente na freguesia dos Altares, aos três anos foi adquirido por João Miranda, cavaleiro de alternativa terceirense, que o desbastou e o levou pela primeira vez aos toiros, neste momento é figura da quadra de cavalos do conhecidíssimo cavaleiro Vítor Ribeiro.
Aqui fica uma fotografia do agora rebaptizado Gordito, retirada do site Tauromania da autoria de Francisco Romeiras, tirada no passado dia 26 de Maio na Praça de Toiros Daniel do Nascimento na Moita.

Capas dos Semanários Taurinos Farpas e Olé