Feira de São João começa amanhã

A Feira de São João deste ano tem o seu inicio, amanhã dia 21 de Junho, com uma Corrida Concurso de Ganadarias...

Triunfo de Tiago Pamplona e Sérgio Aguilar no Festival de Beneficência

Há já algum tempo que não tinha o prazer de tomar notas numa corrida de toiros...

Comunicado - Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande - Feira de São João 2015

"O Grupo de Forcados de Amadores do Ramo Grande anuncia que não pegará no Concurso de Ganadarias da Feira de São João 2015 "

março 31, 2009

A Importância da Sorte de Varas

(Notícia actualizada)
A Tertúlia Tauromáquica Terceirense vai levar a cabo no próximo sábado dia 4 de Abril, a uma conferência subordinada ao tema "A Importância da Sorte de Varas" que será antecedida por uma Tenta Comentada na Praça de Toiros Ilha Terceira. Trata-se segundo a organização de uma acção pedagógica e de interesse sócio-cultural. O convite é extensivo aos aficionados, seus amigos ou de quaisquer outras pessoas que queiram conhecer mais em profundidade o fascínio da Festa Brava.
A Tenta Comentada terá o seu inicio pelas 18 horas e contará com a presença do matador de toiros Gomez Escorial e do picador português Rafael Trancas, a conferência tem inicio às 21 horas no auditório da Universidade dos Açores no Pico da Urze.
A conferência conta ainda com a presença do ganadero João Folque, do director da revista 6Toros6 José Carlos Arévalo e do jornalista António Castañares.
Um dia em cheio a não perder.

Julian López “El Juli”

Julian López Escobar “El Juli” figura máxima da tauromaquia mundial, fará as cortesias na arena da nossa Praça de Toiros Ilha Terceira no próximo dia vinte e seis de Junho integrado no terceiro festejo da Feira de São João, compartindo cartel com o cavaleiro Manuel Lupi e com os Forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense capitaneados por Adalberto Belerique, os toiros pertencem à divisa terceirense de Rego Botelho.
Julian nasceu em Madrid a três de Outubro de 1982, passou a sua infância no bairro madrileno de San Blas e no bairro de La Concepción onde fez os seus estudos e onde se situava o negócio familiar, com dez anos passou a viver em Velilla de San Antonio para depois dos seus primeiros triunfos comprar a pequena herdade em Arganda del Rey. Actualmente divide a sua vida entre a sua moradia em Madrid e a sua herdade extremenha “El Freixo”, onde se situa a sua ainda recente ganadaria.
O toureiro madrileno tem raízes familiares ligadas à festa, o seu pai foi novilheiro passando depois a vestir-se de prata, da parte materna ouve familiares que foram empresários taurinos na província de Toledo. Com esta vivência familiar cedo se pôde adivinhar o seu futuro nas arenas.
No dia da sua primeira comunhão deu o seu primeiro capotazo a uma bezerra, devido àquilo que sentiu naquele dia de pronto pediu ao seu pai para ingressar na Escola de Tauromaquia de Madrid para aos dez anos de idade estoquear o seu primeiro bezerro em Villamuelas.
Devido à sua precocidade toureira Julian López decide debutar com cavalos, por ser menor e por o regulamento taurino espanhol não o permitir, ruma ao México debutando com cavalos a 16 de Março de 1997 na praça de toiros de Texcoco, triunfando com o corte de duas orelhas. No México foi considerado um autêntico ídolo onde num só dia toureou três novilhadas, indultando cinco novilhos, um dos quais na maior praça de toiros do mundo, a Praça Monumental do México.
Regressa definitivamente do México no ano de 1998 para actuar por toda a Europa taurina triunfando em todas as suas feiras taurinas, tornando-se no novilheiro mais cobiçado e apreciado das últimas décadas.
Apresentou-se em Madrid em solitário tendo saído em ombros após o corte de duas orelhas ao quinto da ordem
Toma a alternativa em Nimes a 18 de Outubro de 1998, das mãos de José María Manzanares com testemunho de José Ortega Cano, tornando-se o mais jovem matador de toiros de toda a história, naquela tarde cortou duas orelhas, uma a cada oponente.
Tão jovem matador contém um vasto curriculum, donde se destacam o corte de três orelhas na Feira de Abril em Sevilha em 2001, o corte de um rabo na Praça México em 2002, em 2003 corta um rabo no Palácio Vista Alegre entre outros muitos triunfos na sua ainda curta carreira.
Foi líder do escalafon em 2000 com 105 corridas, 200 orelhas e 23 rabos, é obra.
No ano de 2008 ocupou o quarto posto do escalafon com 74 festejos efectuados, cortando 104 orelhas e 3 rabos na lide de 157 reses.
Quem se lembra da sua actuação na Praça de Toiros Ilha Terceira no ano de 1992, numa tenta pública e comentada organizada pela Tertúlia Tauromáquica Terceirense, quando tinha cerca de nove anos, eu lembro-me, lá já se viu o esboço de uma grande figura em que mais tarde se tornaria.
Agora tenho eu e todos os aficionados terceirenses de ver ou rever este extraordinário toureiro que nasceu com o toureio metido na cabeça.
Oxalá saiam bem os toiros que pastam na caldeira Guilherme Moniz, para podermos apreciar a sua arte, entrega e sabedoria toureira, próprias de um toureiro de época e que por certo marcará a história da tauromaquia açoriana.

Duarte Bettencourt

Fotografia: Toreria.es

Programas Taurinos deste fim de semana

Se por ventura não acompanhou os programas taurinos espanhóis deste último fim de semana poderá assistir via web nos seguintes endereços:

Tendido Cero

Tierra de Toros

Toros para Todos

Aplausos nº 1643 - "Julio Aparicio el toreo"


6 Toros 6 nº 770 de 30 de Março - "Perera impone su ley"


março 30, 2009

Álvaro Dentinho e Manuel Pires pegaram no Festival de Coruche

(Notícia actualizada)
Ontem realizou-se na Praça de Toiros de Coruche dois Festivais Taurinos, o primeiro destinado ao toureio a pé que se realizou pela manhã, e o segundo destinado ao toureio a cavalo pela tarde. Neste intervieram três elementos da forcadagem terceirense inseridos numa selecção de forcados de dezasseis grupos diferentes, foram eles Helénio Melo e Álvaro Dentinho em representação dos Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense e Manuel Pires em representação dos Amadores do Ramo Grande. Foram lidados toiros de António José Teixeira pelos cavaleiros Rui Salvador, Raul Martin Burgos, Ana Batista, José Luis Cañaveral, Brito Paes e Duarte Pinto. Nas pegas o destaque, claro está, para as pegas ao segundo e ao sexto toiro da tarde executadas ao segundo e ao primeiro intento pelo forcados terceirenses Álvaro Dentinho e Manuel Pires respectivamente, que demonstraram em terras continentais que aqui na Terceira também se pegam e bem os toiros.
Duarte Bettencourt

Feira de São João 2009


março 29, 2009

A Sorte de Varas

A dez de Outubro do ano 2007 referi-me aqui no Terceira Taurina à sorte de varas com um artigo de opinião "Para quando?", o que escrevi antes volto a afirmar hoje, criem condições e depois então avancem com a almejada, para uns não tanto para outros, sorte de varas.
Os meios de comunicação locais (Diário Insular e aUnião) noticiaram á dias que por petição popular o tema irá ser debatido primeiramente por uma Comissão Parlamentar para depois ser apresentado em plenário no Parlamento Açoriano.
Retirando ilações sobre as notícias em questão, a petição inicial, por acaso a maior, foi a do não à sorte de varas com cerca de um milhar de e-mail's, onde os subscritores alegam e confundem a sorte de varas com a lide integral, alegando que a região ficaria manchada em termos turísticos por consequência dessa autorização, em seguida e pelo sim à sorte de varas com mais ou menos um cento de e-mail's enviados, isto na altura e nos referidos artigos, alegam e não confundem a sorte de varas com a lide integral e até afirmam que seria producente em termos turísticos tal autorização. Depreendo pois que neste milhar de e-mail's possam estar os animalistas como lhes chamam os espanhóis e com certeza alguns aficionados contra aquilo que julgam não ser necessário à festa brava no arquipélago, o que é certo é que esta corrente, porventura organizada, está a ganhar aos pontos em termos estatísticos a corrente do sim.
Deixo-vos o e-mail geral da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores para quem quiser expressar a sua opinião junto da entidade competente.
Como já disse acima tenho a minha opinião formada sobre o assunto mas deixo a quem me visita a possibilidade de se expressar quer no sentido do não quer no sentido do sim. Para isso tem à vossa disposição o meu email para darem a sua opinião sobre o assunto ou se preferirem deixar um comentário, desde que identificados e sem ofensas, neste mesmo post.
Vou também disponibilizar dois questionários sobre o tema, que vos peço desde já que sejam honestos e que votem uma só vez, para que assim o Terceira Taurina possa disponibilizar a quem o visita uma exposição isenta sobre este tão polémico assunto.


Duarte Bettencourt

março 28, 2009

Cartaz da III Corrida do Emigrante

março 27, 2009

"Parlamento recebe - Mails a favor e contra legalização das lides picadas"

"Mais de um milhar de e-mails, a favor e contra os espectáculos tauromáquicos com lides picadas, foram enviados nas últimas semanas para os serviços da Assembleia Legislativa dos Açores, revelou ontem fonte parlamentar.

Segundo a mesma fonte, a maioria esmagadora dos ofícios que deu entrada no Parlamento açoriano manifesta-se contra o eventual regresso do tema à Assembleia Regional, na sequência das alterações introduzidas pelo Estatuto Político-Administrativo dos Açores.
O polémico diploma, que foi vetado duas vezes pelo Presidente da República, abre a possibilidade da Região legislar sobre a realização ou não de espectáculos tauromáquicos com lides picadas, também conhecidas como “sorte de varas”.
Um espectáculo proibido em Portugal, mas frequente na vizinha Espanha, onde os toiros nas corridas de praça são picados, na tentativa de revelar a “casta” e a “nobreza” do animal, que apesar da dor continua a investir contra o toureiro.
Os deputados açorianos já tinham tentado há seis anos fazer aprovar no Parlamento um decreto regional a autorizar a realização destas práticas nos espectáculos tauromáquicos das ilhas, mas o diploma foi declarado inconstitucional.
Um tema que regressa agora ao Parlamento, curiosamente não por iniciativa dos deputados, mas por imposição popular, na sequência de uma corrente de opinião contra as lides picadas, que enviou mais de um milhar de e-mails, oriundos de diferentes proveniências, a contestar o possível surgimento de propostas nesse sentido.
Os peticionários alegam que a imagem da Região ficaria “manchada”, em termos turísticos, caso fosse aprovada uma legislação a autorizar os “toiros de morte” no arquipélago.
Em sentido inverso surgiu também, nas últimas semanas, uma outra corrente de opinião, com base na ilha Terceira (onde existem grandes tradições tauromáquicas), a defender o espectáculo da sorte de varas na Região.
Os autores do projecto favorável às lides picadas exigem “o direito constitucional à diferença, mesmo que seja de uma minoria”, e garantem que os Açores ganhariam, em termos turísticos, com um espectáculo como este, que faria atrair às ilhas aficionados de todo o mundo.
Até agora, já deu entrada no servidor da Assembleia mais de uma centena de petições a favor das lides picadas e mais de um milhar contra.
Os serviços estão agora a contactar os autores de todos estes projectos, para que o assunto seja levado à Comissão Parlamentar competente e depois apresentado em plenário."

março 26, 2009

Programação TV para o fim de semana

Sábado, 28 de Março

11h20m - Tendido Cero - TVE

23h30m - Tendido Cero - TVE i

Domingo, 29 de Março

12h00m - Tierra de Toros - Extremadura TV

13h45m - Toros para Todos - Andalucia TV

(Hora dos Açores)

Tourada dos Estudantes - 1ª Pega

A Festa Brava na Ilha Terceira - Um pouco da sua história.

“Tão antiga como a própria humanidade” foi a frase que li numa qualquer revista, num qualquer lugar que me fez esboçar um artigo sobre a festa brava na Ilha de Jesus Cristo.
Desde os primórdios do descobrimento das Ilhas açorianas, aquando da descoberta da terceira ilha, densa em florestação como as demais, foi largado gado vacum como outras tantas espécies domésticas, que se tornaram selvagens e típicas desta região, causadas pelas condições climatéricas e demográficas das nossas ilhas. Com o cruzamento de diversas raças de gado vacum em regime de total liberdade, a quando do povoamento desta ilha, as gentes oriundas do centro /sul do país, encontraram uma espécie pequena em dimensão e bravia devido ao seu estado selvagem. Imaginando a época vivida, século quinze, depressa se tira a conclusão de como os povoadores capturavam e matavam as reses para a sua alimentação.
Os antigos diziam que a carne de um animal cansado era mais tenra e suculenta do que a de um animal descansado, ainda no tempo do meu avô se tomava como certa esta sentença, sendo assim e depois de serem laçados e capturados, era nos adros das Igrejas que se corriam e cansavam os animais bravios de então, para depois se proceder à sua matança. Esta tradição não era só típica da Ilha de Jesus Cristo, era praticada um pouco por todas as restantes ilhas que compõe o arquipélago açoriano, esta manifestação foi proibida pelo Bispo de Angra nas “Constituições Sinodais do Bispo de Angra” de 1559 onde se proibia de correr toiros nos adros das igrejas.
Com o passar do tempo, por ser Angra uma cidade nobre e burguesa e por ser o povo terceirense um entusiasta das festas populares, se continuou esta pratica de correr os toiros nas ruas de toda a ilha.
O culto do Divino Espírito Santo propagou-se por todo o arquipélago devido à fé inabalável dos açorianos na Terceira Pessoa da Santíssima Trindade face às atrocidades do tempo, da vida e da terra. No caso da Ilha Terceira foi-se associando o religioso e o profano advindo daí ao que hoje se assiste nas festas profano religiosas um pouco por toda a Ilha. A tourada à corda evoluiu com o passar dos tempos, mas nem sempre a tourada à corda foi o que hoje se vê e se assiste nas estradas da Ilha Terceira, alguns escritores da época relataram algumas atrocidades cometidas pelos homens de então com os seus bordões de aguilhões montados. Como tudo na vida a evolução do homem e da cultura fizeram com que o espectáculo chegasse até aos dias de hoje e se tornasse no ícone da tauromaquia insular.
Ao mesmo tempo que se desenvolveu a tauromaquia de rua, as touradas de praça, como são chamadas aqui para as diferenciar das outras, mantiveram-se na Ilha Terceira pela concentração da nobreza na capital da Ilha e pelo porto a ela associado, porto este importante na rota da prata. Os espectáculos e jogos taurinos eram realizados na praça principal da cidade de Angra, a chamada hoje Praça Velha, onde se colocavam palanques em volta, inseridos num rectângulo. Aí os nobres mostravam a sua destreza a cavalo alanceando os toiros, outras danças executadas por angrenses alegravam as festas, antes faziam-se cavalhadas em honra de São João, perfilavam-se duas alas de cavaleiros, uma para a Rua de São João e outra no sentido descendente da Rua da Sé, aí se celebrava no canto destas duas ruas, onde outrora existiu uma capela, uma missa em honra do patrono das hoje festas maiores do Concelho de Angra do Heroísmo.
Sempre houve da parte dos terceirenses uma paixão frenética pela festa dos toiros, desde os espectáculos de rua aos de praça, mas é nos primeiros que reside a sua maior aficion.
Praças de toiros houve várias, a da Canada do Barreiro, a do Espírito Santo na Miragaia, a de São João, onde hoje se situa o Centro Cultural de Angra, chegando até hoje e já com vinte e cinco anos de existência a Monumental Praça de Toiros Ilha Terceira.
Enfim a festa brava e os terceirenses juntos desde os primórdios da existência humana nestas ilhas atlânticas.

Duarte Bettencourt

março 25, 2009

Feira Taurina da Ilha Graciosa

Carteis da Feira Taurina da Ilha Graciosa 2009
Sábado, 8 de Agosto
Cavaleiros
João Moura
Tiago Pamplona
Rui Lopes (Cavaleiro Praticante)

Novilheiro
João Augusto Moura

Forcados
Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense
Amadores do Ramo Grande

Toiros
Rego Botelho

Domingo, 9 de Agosto
Cavaleiros
João Moura
Tiago Pamplona
Rui Lopes (Cavaleiro Praticante)

Forcados
Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense
Amadores do Ramo Grande

Toiros
Brito Paes

Festa Brava - 1º Episódio - 21 de Março

Terceira Taurina de novo no activo

Amigos e visitantes, estes últimos dias foram para mim um autêntico martírio, como alguns de vocês se puderam aperceber nada dava certo, por fim ontem ouve fumo branco e lá consegui fazer alguma coisa de jeito, espero que gostem do novo visual. Agora é só dar continuidade ao trabalho desenvolvido até aqui tentando sempre não defraudar quem me segue nesta aventura.
As minhas sinceras desculpas pelo sucedido.

Duarte Bettencourt

março 18, 2009

Terceira Taurina

Amigos e visitantes frequentes do Terceira Taurina, primeiro que tudo as minhas sinceras desculpas pelo sucedido com blog no dia de ontem. Tive de limitar o acesso devido a problemas de ordem técnica causadas pela tentativa de melhorar sempre o meu Terceira Taurina. Depois deste imprevisto equacionei a continuação ou não do meu blog.
Muitos de vocês que me acompanham e me acompanharam ao longo destes três anos perguntarão porquê, eu digo porquê.
O mundo taurino insular como todo o outro está revestido de gente boa e de outra muito má e nestes três últimos anos muita coisa soube, muita coisa descobri, sofri tentativas de pressão, ameaças, enfim uma panóplia de situações, que equacionei no inicio desta minha aventura mas que ingenuamente julguei nunca acontecer, situações estas que me fizeram repensar o meu blog e a minha aventura na web.
Depois de pensar e repensar decidi continuar.
Vou tentar manter o mesmo nível que vos tenho habituado, mas peço-vos paciência para os dias que se seguem pois vou tentar repor o blog.
Um sincero abraço
Duarte Nuno da Rocha Lima Bettencourt

março 07, 2009

Forcados terceirenses em Coruche e Évora


Os grupos de forcados Amadores da Tertúlia Tauromáquica Terceirense e os Amadores do Ramo Grande irão estar presentes num festival taurino na praça capital do Sorraia no dia 29 de Março, incluídos numa selecção de grupos de forcados onde se incluem outros dezasseis grupos de forcados, cada grupo será representado pelo seu cabo e por um outro elemento do grupo.
No dia 11 de Abril os dois grupos de forcados terceirenses irão estar também presentes na II Festa do Forcado que se realizará na renovada arena de Évora, aí pela manhã realizar-se-á o II Concurso de Pegas Cernelhas, nele irão participar todos grupos de forcados associados na ANGF. O concurso será por eliminatórias e quem o vencer terá a possibilidade de pegar a corrida agendada para o mesmo dia à noite na arena de Évora.