março 20, 2010

Terceira Taurina entrevista Adão Rocha


Hoje trago até vós uma entrevista realizada ao aficionado e autor do programa radiofónico “Festa Brava” da estação KIGS,uma emissora portuguesa sediada em Hanford, Califórnia. Programa este inserido na programação do “Voz dos Açores”. Este terceirense de nascimento, novo emigrou para a Califórnia juntamente com seu pai, outrora músico da filarmónica de San Jose. Relembra com saudade a infância que passou na Ilha do seu coração, recorda como se fosse hoje os dias de tourada à corda na sua freguesia natal.
Depois de emigrado acompanhou o seu pai nas actuações da filarmónica de San Jose pelas praças de uma Califórnia taurina que começava de novo a ganhar a chama de outrora. Ai se forjou aficionado à festa brava, alimentando-se das muitas tertúlias, da emoção da festa e do seu ambiente peculiar.


Duarte Bettencourt - Como aficionado sério que és, como vês o panorama taurino aí nas terras do Tio Sam?  

Adão Rocha - Eu vejo o panorama taurino aqui na Califórnia com muita esperança, mas ao mesmo tempo com alguma preocupação. Vejo com esperança porque a festa brava aqui na Califórnia tem progredido imenso desde quando chegamos aqui, especialmente nos últimos vinte anos. Também porque temos já quatro ganadarias que estão a ser dirigidas pelos filhos de quem as fundou. Isto quer dizer que o gosto pela tauromaquia vai passando de pais para filhos. E destas quatro ganadarias, não tenho duvida nenhuma que os netos (a geração a seguir) irão dar continuidade ao trabalho dos seus avós. Isto é um fenómeno. Pessoas já nascidas aqui na Califórnia e os filhos destes nutrem o mesmo gosto pela tauromaquia que os seus pais trouxeram da Terceira. A tauromaquia pode prevalecer por muitos anos aqui na Califórnia e até talvez nunca acabar. Temos condições climáticas do melhor para a criação de gado bravo. Temos um mercado enorme. As corridas de toiros são os eventos que atraem mais gente na comunidade Luso-Americana da Califórnia. A Festa Brava é absolutamente a parte cultural, de todas as trazidas dos Açores, que o povo mais gosta. Isto realmente é um fenómeno. A Califórnia realmente é uma terra Taurina.   
Infelizmente também vejo a tauromaquia aqui na Califórnia com alguma preocupação. Temos os problemas dos anti-taurinos. Mas esse não é o maior problema e o que me preocupa mais, pois estes aparecem e desaparecem. Nós temos uma lei para realizarmos os nossos festejos Taurinos, logo se seguirmos essa lei (que não permita sangrar o toiro) não teremos qualquer problema. O que me preocupa mais e até me deixa triste, é a falta de união dentro da nossa festa brava aqui na Califórnia. Esse problema sim pode acabar com a nossa festa. Tinha que se criar uma associação de ganadeiros, uma organização tauromáquica, para assim nos proteger dos anti-taurinos, mas com esta falta de união a coisa está muito difícil. Também temos um problema grave, que são certas pessoas da comunicação social taurina aqui na Califórnia, nomeadamente um programa radiofónico e a imprensa escrita que em vez de promover a festa brava só a destroem. Eu sou um amador na rádio, mas faço o meu programa taurino na rádio com amor à festa dos toiros e com respeito à festa brava e a todos nela envolvidos, sempre com o intuito de a promover, não para proveito pessoal.  
   
DB - Que perspectivas tem para a temporada que se avizinha?  

AR - Penso que vai ser uma temporada abaixo do normal aqui na Califórnia. Temos que ter em conta que a economia está péssima, por isso as empresas que promovem as corridas, que aqui geralmente são as comissões de festas, estão a ter cuidado e a evitar cartéis de custos elevados. Até ao momento o nome contratado mais sonante é o do cavaleiro Vítor Ribeiro. Também vai haver menos corridas este ano. Até ao momento estão certas catorze corridas, tenho conhecimento que poderá aparecer mais uma ou duas. Isto são poucas corridas, pois à dez anos atrás tínhamos por media trinta corridas por ano.     

DB - Sabendo das muitas ganadarias que por ai pastam, qual o momento que estas atravessam?

AR - Actualmente temos dezassete ganadarias aqui na Califórnia. Como vê são muitas ganadarias para as corridas que aqui são realizadas. Por vezes cria-se um mau ambiente entre os ganadeiros.
Já existe muita qualidade em algumas das ganadarias, verifica-se o bom trabalho de apuramento e selecção em algumas delas. Eu tenho um respeito enorme por todos os nossos ganadeiros, por todos os seus esforços e dedicação, não é fácil ser-se ganadeiro. Sem eles não teríamos festa brava. Sem ofender ninguém, queria mencionar a ganadaria Pico dos Padres de Manuel Sousa Jr., que tem um excelente lugar para a criação de gado bravo (que é o Pico dos Padres), que no mundo taurino não há muitos iguais. Os toiros desta ganadaria têm se destacado nas últimas temporadas.
Também queria mencionar a ganadaria de Manuel Costa Jr. que tem feito um trabalho excepcional na sua ganadaria e que tem visto resultados desse trabalho. Este ganadeiro também adquiriu à poucos meses uma ganadaria no México (Ganadaria El Naranjo).
Há mais, diria umas três ou quatro ganadarias que tem se visto alguma qualidade nas últimas temporadas. Temos também por outro lado ganadarias que até à data só correram toiros à corda, alguns satisfeitos, outros à espera de uma oportunidade.

DB - E os toureiros californianos, fala-nos um pouco deles?

AR - Quanto a toureiros Californianos (Lusos) temos o matador Dennis Borba, que não está no activo. Temos dois cavaleiros de alternativa, Joe Correia e Eduardo Costa. O Joe Correia não esta no activo, o Eduardo Costa ultimamente só tem toureado em festivais. Temos um cavaleiro praticante, Sario Cabral que esta no activo e que irá tomar a alternativa no próximo mês de Junho em Gustine. Também temos outro cavaleiro praticante cá residente, mas nascido em Portugal, trata-se do cavaleiro João Serra Coelho.

DB - Sendo tu um grande acompanhante da forcadagem, como se encontra a qualidade dos grupos de forcados que por aí actuam?

AR - Temos actualmente quatro grupos de forcados aqui na Califórnia. Com mais dois grupos que existiram no passado a tentar reaparecer com malta jovem. Destaca-se os dois grupos de Turlock, os Amadores de Turlock e o Aposento de Turlock. O grupo dos Amadores de Turlock é um grupo com trinta e três anos de existência. Tem um grande prestígio e historial, já actuou por diversas vezes nos Açores e em Portugal Continental. O Aposento de Turlock é um grupo com somente cinco anos de existência mas é também um grupo de grande qualidade, pois alguns dos seus elementos foram grandes forcados no grupo mais antigo de Turlock. O Aposento de Turlock irá actuar na Praça de toiros da Ilha Terceira pela primeira vez a 23 de Abril próximo, no Festival de Beneficência para com as vítimas das enxurradas na Agualva. Tenho a satisfação de proclamar que temos dois grupos aqui na Califórnia (os Amadores de Turlock e o Aposento de Turlock) que podem actuar em qualquer praça do mundo, ao lado dos melhores grupos de forcados. Temos o grupo de Forcados os Amadores de Merced que só tem três anos de existência, é um grupo muito jovem e está a ter dificuldades em manter um número de forcados adequado, mas como tudo tenho que dar lhes crédito pois têm uma grande paixão pela forcadagem. Depois temos o Grupo de Artesia que não sendo um grupo jovem, esta a ter também problemas de manter um número de forcados adequado, também este grupo tem a particularidade dos seus elementos viverem a aproximadamente trinta e cinco quilómetros do centro da cidade de Los Angeles (a segunda maior dos Estados Unidos) embora exista uma praça de toiros em Artesia, não há ganadarias por perto o que dificulta e muito os treinos com gado bravo (costumam simplesmente treinar com a taurina). Contudo, também tenho que dar lhes crédito pela sua aficion.  

DB - Sabendo das dificuldades que aí se vivem para poder organizar uma corrida de toiros, uma das coisas essenciais é terem cavalos pertencentes a coudelarias aí existentes e com vocação taurina. Como vês a evolução dos cavalos para o toureio e qual a coudelaria que mais se destaca no vosso meio?

AR - As Coudelarias aqui na Califórnia tem tido uma evolução inacreditável. Já temos coudelarias de grande nível aqui na Califórnia. Posso lhes adiantar que até já vão cavalos daqui das nossas coudelarias para Portugal. Como é o caso de cavalos da Coudelaria Agualva que foram adquiridos por Joaquim Bastinhas (cavalo de saída, de nome “Troca”), por Luís Rouxinol (cavalo de quarto de milha, de saída e bandarilhas, de nome “Dollar”, que se tem destacado nas últimas duas temporadas em praças da Península Ibérica) e pela Sónia Matias (um Árabe usado para as bandarilhas de nome “Atrevido”). Já desfrutaram de cavalos da Coudelaria Agualva os cavaleiros: Mestre João Moura, António Telles, João Telles, Rui Salvador, Rui Fernandes, Ana Batista, Sónia Matias, entre outros. De salientar que todos os cavalos da Coudelaria Agualva foram e são ensinados na própria coudelaria. Também destaco a coudelaria dos Irmãos Martins que têm feito grandes investimentos em cavalos vindos de Portugal. Actualmente esta coudelaria tem como treinador e equitador o cavaleiro Paulo Ferreira, que tem feito um excelente trabalho. Já desfrutaram dos cavalos da Coudelaria Irmãos Martins os cavaleiros: Pablo Hermoso de Mendoza, Paulo Caetano, Joaquim Bastinhas, João Salgueiro, Ana Batista, José Manuel Duarte, entre outros. Também temos a coudelaria Cabral e filhos que tem também mostrado alguma qualidade.

DB - Por último queria agradecer-te por te disponibilizares para esta pequena entrevista e gostaria de te pedir uma mensagem a deixar a todos os visitantes do Terceira Taurina.

AR - Eu é que agradeço pelo tempo dispensado, é sempre um prazer falar sobre tauromaquia. Podia falar todo o dia em tauromaquia e nunca me cansava. Quero enviar um abraço taurino do tamanho da Califórnia para todos os visitantes do blog Terceira Taurina e à aficion Terceirense em geral. Queria também como aficionado agradecer o seu trabalho em prol da festa brava nos Açores. Em manter-nos sempre informados da festa brava na Terceira. É um grande serviço que nos proporciona. Parabéns pela qualidade do site. Para mim é o mais completo sobre a tauromaquia Terceirense e um dos mais informativos e completos em Português e até em qualquer língua. Parabéns e continua com o excelente trabalho. Enhorabuena!  

0 comentários: