outubro 26, 2010

Segundo dia do Congresso


Por razões de ordem profissional, infelizmente não me foi possível assistir aos trabalhos previstos para a manhã de sexta-feira, dia 22 de Outubro. Na impossibilidade de comentar o que por lá se passou, ficam os títulos das mesas redondas e a certeza de que perdi um dos melhores momentos deste IX Congresso Mundial, assim na primeira mesa tivemos “Sanidade – Chegar ao toiro são e competitivo” em que intervieram António Pina Fonseca, Victorino Martín, Miguel Gutiérrez, Vasco Brito Paes, Juan Seva e Manuel Sanes com moderação de Isabel Carpio, na segunda mesa da manhã sob o título “Maneio” fizeram parte Borja Domecq, José Luis Algora, Santiago Ellauri, Joaquim Grave e José Luis García Palacios com moderação de Paco Aguado. Podem consultar as noticias referentes a estas duas mesas, publicadas nos sites Burladero.com e Mundotoro.com .

Após o atraso verificado pelas calorosas intervenções que se fizeram na parte da manhã deste segundo dia de congresso, a jornada da tarde iniciou-se com algum atraso, passando a organização literalmente por cima da apresentação do livro “Fátima Albino – Uma ganadera da Ilha Terceira” sem dar sequer conhecimento aos congressistas desta mesma alteração.

A mesa “ Promoção e divulgação de valores complementares na ganadaria: turismo taurino, valor ambiental e a carne do toiro de lide” moderada por Miguel Ángel Moncholi, contou com a presença de Juan José Rueda, José Luis García Palacios, Pablo Mayoral e João Pedro Barreiros. Rueda explanou o conceito de turismo taurino como uma possibilidade interessante de mostrar o dia a dia no campo não só ao simples aficionado mas também a todo aqueles que desconhecem o toiro e o campo. Palácios defendeu a “Dehesa” como um ecossistema em total equilíbrio com a natureza onde o toiro é rei e senhor. João Pedro Barreiros da Universidade dos Açores, defendeu que devem ser feitos estudos científicos sobre o toiro de lide e que os mesmos, depois de devidamente publicados em revistas cientificas de renome mundial, deveriam ser publicados em revistas generalistas afim de chegar ao conhecimento do público em geral, incluindo os anti-taurinos. Pablo Mayoral apresentou aos presentes a qualidade da carne de lide alertando para a falta de uma marca de qualidade para maior visibilidade desta carne no mercado de consumo.

A organização presenteou os presentes com um espectáculo demonstrativo do toureio a cavalo à portuguesa, onde intervieram os cavaleiros alternativados terceirenses Tiago Pamplona e Rui Lopes e uma selecção de forcados juvenis, infantis e seniores da Tertúlia Tauromaquica Terceirense. Não posso deixar de criticar a organização deste evento que deveria ter sido de exaltação ao toiro de lide terceirense, aos marialvas terceirenses e aos imensos e valorosos forcados que existem nesta ilha de aficion. Poderia e deveria ter sido uma amostra da verdadeira aficion à tourada de praça nesta ilha, com a intervenção dos três cavaleiros no activo, além dos dois acima mencionados o praticante João Pamplona, com os três grupos de forcados, sim três, devidamente diferenciados entre Tertúlia Tauromáquica Terceirense, Ramo Grande e Juvenis da Tertúlia, assim demonstrando ao mundo taurino com um pouco de boa vontade e um pouco mais de organização a verdadeira dimensão da tauromaquia insular.

A noite prolongou-se com uma tertúlia interessante, à mesa, num jantar na Quinta da Nasce Água.

Duarte Bettencourt

0 comentários: