novembro 27, 2011

"A primeira vez que um artista espanhol matou a estoque um touro em Portugal."


Foi assim que Pedro de Merelim, pseudónimo de Joaquim Gomes da Cunha, no seu livro “Tauromaquia Terceirense” intitulou o episódio inédito na tauromaquia nacional, protagonizado pelo matador de toiros espanhol Gabriel Lopes y Portal, Mateíto. O dia 13 de Setembro de 1895 ficou marcado na história da tauromaquia terceirense, como o dia em que pela primeira vez se matou um toiro à usança espanhola, na Ilha Terceira. Foi palco deste evento, dito particular, mas a que assistiram cerca de oitocentas pessoas ávidas de presenciar a morte de um toiro a estoque, a Quinta do Rosário, situada na freguesia da Terra-Chã, propriedade do Sr. Francisco de Paula Barcelos Machado Bettencourt. A faena campera começou com a ferra de bravos do Sr. Félix Machado Barcelos, precedida pela lide de dois toiros em pontas da mesma ganadaria. O primeiro não se prestou à lide, o segundo um cinqueño, negro bragado e veleto, que também foi manso, tendo sido castigado com bandarilhas negras, não humilhando e fugindo à contenta foi estoqueado à terceira tentativa, por entre dois pinchazos, sendo descabellado por duas vezes, acabando por cair morto. Reza assim a história do primeiro toiro morto a estoque na Ilha de Jesus Cristo.
Mas a história nunca acaba, faz-se dia a dia e cem anos depois, mais propriamente a 21 de Outubro de 1995, no mesmo pátio da Quinta do Rosário, foram estoqueados dois toiros, pelo matador de toiros Tomáz Campuzano, acto este que foi presenciado por cerca de duzentos convidados. 
Ontem como hoje a lei não se fez cumprir e ambos os matadores não foram punidos por tais actos. A notícia foi amplamente divulgada nos meios de comunicação social da altura. Engraçado de constatar é que semelhante relevo teve também a notícia em 1895, não só na imprensa local, mas também na imprensa da especialidade na península ibérica.
Deixo-vos um artigo publicado no livro “Tauromaquia Terceirense” sobre o acontecimento de 1895. 



Duarte Bettencourt

0 comentários: